Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SorrisoIncógnito

Todo o sorriso é apaixonante devido ao incógnito que o ofusca! SORRIR_um estado de espírito...

16
Abr19

Notre-Dame

Maria

[Imagem: AFP]

Não é um amontoado de pedras e madeira como já li por aí.

É cultura. É arte. É património artístico e religioso de valor incalculável. De séculos. É história. É da humanidade.

Pode não ser a nossa história. Mas faz parte. E é triste.

As imagens ficam. E a imagem do pináculo a cair ficará.

Hoje acredito num amanhecer muito triste para os franceses.

17
Dez18

"Há dias de merda"

Maria

Há efectivamente dias de merda. Todos temos os nossos. Cada um fica com os deles. Mas...

O que aconteceu no final do dia de sábado acho que tocou a muita gente. Alguém que ajuda a salvar vidas perde a vida de uma maneira tão violenta, trágica e quase incompreendida. É daquelas cenas que uma pessoa tantas vezes diz, tantas perguntas que ficam sem resposta. Tantas respostas que não servem para nada, nem para responder à pergunta.

Há efectivamente quatro mortes a lamentar. Quatro vidas que ajudaram a salvar uma, minutos antes de não conseguirem salvar a própria vida.

Daqueles textos/desabafos que nos tocam:

 

"Ontem descolei do aeroporto do Porto com destino a Genebra. A minha preocupação – claramente egoísta – é que aquele seria mais um dia longo. Três sectores de voo, onze horas de trabalho. Pouco antes de entrar em espaço aéreo espanhol ouvimos na frequência um helicóptero do INEM em comunicação com Lisboa. Dirigia-se para o Porto. Como ex-piloto de helicópteros da Força Aérea, lembro-me de pensar que uns 30.000 pés abaixo de nós, estaria provavelmente um amigo e ex-camarada meu. Aterrámos em Genebra, reabastecemos, embarcámos passageiros e descolámos de regresso ao Porto. Ao reentrar em espaço aéreo português o sistema de defesa aérea nacional, a cargo da Força Aérea, tentava entrar em contacto com o mesmo helicóptero do INEM sem sucesso. Comentei no cockpit que “a malta do INEM devia ter aterrado algures por causa do mau tempo”. Chegámos ao Porto pouco depois e seguimos para o Funchal.

Há dias de merda. Lá em baixo, para lá daqueles 30.000 pés, estava efectivamente um amigo e camarada. Alguém que esteve comigo na mesma esquadra de voo. Alguém que esteve presente no meu último voo como piloto militar. Alguém que amava aquilo que fazia. Com ele, outros três excelentes profissionais. E aqui, nestes dias de merda, a experiência não torna as coisas mais fáceis. Quando somos mais novos, especialmente quando ganhamos as nossas Asas, convencemo-nos que somos invencíveis. Um puto a quem deram um avião ou um helicóptero. O mundo a nossos pés. É inerente a qualquer piloto. É, arrisco, inerente a qualquer pessoa que faz aquilo que ama. E, como em tudo na vida, com a idade vem a percepção da realidade. A percepção de que somos falíveis e que o risco, esse, está sempre de braço dado com a nossa profissão. E ver camaradas “voarem” para o seu derradeiro voo não fica mais fácil com o tempo. Pelo contrário. Torna-se mais doloroso. Especialmente quando o fazem no desenrolar de uma missão em prol de todos nós.

 Há dias em que a Vida nos prova que é uma grande filha da puta. Que é injusta. Que leva os melhores de entre nós demasiado cedo.

 Ontem foi um desses dias."

Daqui: http://merlin37.com/

 

A todos os familiares e amigos, ao inem, aos profissionais que estão lá para nós, os meus sentimentos nestas horas de dor.

20
Nov18

Quando todos vêem o que ninguém quer ver!

Maria

Foto: A Terceira Dimensão

[Foto: A Terceira Dimensão]

Não era a estrada que devia estar cortada. Quer dizer neste ponto de partida também. Mas, na verdade as pedreiras é que nunca deveriam ter escavado até deixarem a estrada naquele estado. Uma ponte desgovernada.

Como é possível alguém dizer que já se estava à espera mas mesmo assim não fazerem nada?

Que Portugal continua a ser este , bonito para Inglês ver (e agora morar) mas tão lento e feio no fazer acontecer em vez de esperar para ver?

Como é possível haver licenças para este tipo de estruturas que escavam tudo até não poder mais conscientes que estas coisas podem mesmo acontecer mais dia menos dia?

Como é possível dizerem que a estrada devia estar cortada (e chegando ao ponto que chegou, devia), minimizando assim a segurança dos trabalhadores daquelas pedreiras na iminência de desabarem?

É possível porque tal aconteceu. Alguém deixou acontecer. E agora?

A culpa não é de ninguém. As consequências vão morrer lá longe onde ninguém as sofre. E mal de quem lá foi. Outros dirão mal de quem sofre pelos que foram. 

Verdade nua e crua, tretas.

Cambada de incompetentes que deixam andar.

Sejam eles empresários, engenheiros, forças policiais, autoridade das condições de trabalho ou autarquias. Porque se tu não usas capacete na obra estás sujeito à multa do ACT mas depois podes escavar uma pedreira até ao limite de uma estrada numa altura como o que se vê e no problem!

Agora é mandar para lá a protecção civil para fazerem o "trabalho" deles a correr riscos porque se deixou chegar a este ponto.

Dois mortos confirmados e desconhecem número de desaparecidos.

Está certo.

(estas coisas dão-me cá uma urticária!)

16
Out17

Portugal a arder.

Maria

Incêndios

 

Ontem a vista de minha casa, às três da tarde era esta. O vento forte traz. A minha casa cheirava a fumo. E isto estava longe de ser um dos lugares que por exemplo vi em directo na TV, como por exemplo Tondela. Dá medo. O vento. O fumo. O pânico nas pessoas. A falta de comunicação. Tudo a fugir. Os mesmos desabafos. As estradas sem visibilidade. Os acidentes. E depois a constatação de mortos. Estamos em Outubro. É certo com um tempo fora de normal para a altura, mas como é possível um país a arder desta maneira? Responsabilidades? Meios? Mão severa nesses (des)humanos que matam aquilo que nos dá vida. Uma tristeza. Uma impotência perante estes cenários devastadores. A subida do número de vítimas... E o que a noite encobriu que nos permitiu deduzir que o amanhecer seria negro...

Hoje chego ao trabalho e às nove da manhã da janela, era isto:

 

Nove da manhã a caminho do trabalho e mais pareciam oito da noite. O fumo. O cheiro. Uma calmaria estranha. À entrada das instalações do trabalho algo não estava bem. No parque de estacionamento um "lixo" estranho. Assim que abri a porta do escritório percebi. O chão da parte de dentro cheio de vestígios de fogo. E um cheiro forte e cada vez mais intenso à medida que subi as escadas a fumo. Já no andar de cima e por ser tudo em vidro para a frente das instalações me apercebi realmente do que aconteceu. Ardeu tudo à volta. Aliás ainda fumega... e então que me contaram. Os primeiros bombeiros chegaram às 3 da manhã. E acho que o cenário esteve mesmo mau. Graças a Deus não afectou nada aqui dentro.
Continuo sem ver o outro lado da montanha. Do Rio. Está escuro. As luzes têm que estar ligadas. Continua o fumo. Parece que vem de todo o lado. Triste início de semana.

Sem NADA fazerem os que de direito. Como baratas tontas perante um cenário que nos surpreendesse a primeira vez. Mas não é. E continuam sem planos, sem apurar responsabilidades e é o Deus nosso Senhor nos acuda.

Só apetece dizer, balelas, tretas, ide gozar com o caralhinho que isto é inconcebível. Mais do mesmo.

O balanço é, como seria de prever depois da noite de ontem, catastrófico, com um número de vítimas confirmadas até ao momento (14h) de 31 mortos.

Nilton, numa publicação disse, das frases mais acertadas que li:

"Estamos num estranho limbo onde as calamidades continuam a acontecer e não há nem culpados nem soluções. Pior, as instituições que nos deviam defender, como o Governo, a Proteção Civil, parecem baratas tontas que nunca viram um fogo e foram apanhadas desprevenidas pela primeira vez. Portugal é o gajo que se senta a ver o Titanic vezes sem conta e fica sempre admirado porque o barco foi ao fundo."


Imagino nas situações mais trágicas... muita força a todos os habitantes das terras mais fustigadas e aos bombeiros! Aos bombeiros um bem haja, pela coragem, pela força.

Bombeiros

[Imagem - internet]

 

 

06
Set17

Do(s) dinheiro(s) que desaparece(m)...

Maria

Pedrógão grande é só um exemplo, a ser verdade, de "mas onde raio pára o dinheiro angariado"?

Ele não desapareceu como se não existiu. Todos, mas TODOS mesmo temos a consciência que ele está por aí, nas mãos de quem não deve enquanto quem precisa continua a ver "navios".

Quando me pedem dinheiro para alguma coisa, sou um pouco fria. De coração gosto de ajudar, mas gosto de ir aos sítios que precisam da ajuda ou às pessoas em causa. O dinheiro é algo fácil de fazer nosso quando cai em maus fáceis de se esquecerem de valores.

Isto é assim desde que, um dia, ali na zona do liceu onde andava, um miúdo se aproximou de mim, com uns chinelos de sola gasta e uns farrapos a transparecer o corpo magrela e me disse "dá-me um moedinha, estou cheio de fome". Eu dei. Não pensei duas vezes. Dei e apenas disse vai comer qualquer coisa.

Pouco tempo depois ao entrar no café que eu frequentava, o miúdo estava sentado à porta do café eu entrei e lá dentro estava a mãe a comer um hambúrguer.

Aquilo revoltou-me, porque foi fácil de perceber o que ali tinha acontecido.

Pedi um pão com queijo chamei o miúdo e dei-lhe.

Usou o filho para seu proveito.

Ficou-me. Jamais esqueci. Ficou a lição.

 

Toda uma atitude desprovida de valores, afectos, convicções e moralidade.

Não é disso que se trata quando se usam "vítimas" em prol de algo que não seja apenas e só a ajuda a elas?

31
Ago17

31 de Agosto. Diana. 20 anos depois.

Maria

O 31 de Agosto é sempre um dia especial. Uma das minhas pessoas especiais faz anos e que me lembre raro foi o dia que não conseguimos passar juntos. É das melhores pessoas que conheço e é das minhas. Com muito orgulho. O aniversário sempre serve para reunir a família à volta da mesa. Sempre. Umas vezes com uns outras vezes com outros. Infelizmente alguns já não estão. Outros chegam. Às vezes é a despedida dos nossos que vão para o país que os acolhe e transforma sempre este dia com boas lembranças. Tenho imensas. O 31 de Agosto também ficou marcado à vinte anos (já?!) pela morte da Princesa Diana - a Princesa do povo. É impossível não lembrar, porque foi em mais uma festa que começamos a receber as imagens desta trágica notícia. Desde então, não há um aniversário que não se lembrem. Como é óbvio mais logo quando estivermos todos juntos alguém vai comentar "olha faz hoje uns anos que morreu a Diana". Típico. Mas na verdade marcou mesmo.

A Princesa Diana traz-nos memórias de uma princesa que tentou sempre passar a imagem da proximidade da realeza com o povo. Ela era uma impulsionadora da solidariedade mundial e projectava um sorriso que parece que nos chegava a todos. E aconchegava. Na verdade não esqueço aquele sorriso (ainda mais intenso com os filhos) que a caracterizava e o vestido azul bebe que lhe assentava como uma luva e realçava aqueles olhos claros - lindos - mas perdidos com uma certa tristeza de quem tinha um mundo comprometido e que tinha sonhos altos para além desse mundo que lhe queriam.

A Princesa Diana fazia capa de revistas diárias a nível mundial. Ainda hoje continua a fazer. A sua morte foi e continua cheia de mistérios e envolvida a vender e a dar a ganhar a esses jornalistas que vivem com a sede de se intometerem na vida destas pessoas como sanguessugas. Infelizmente é a parte "podre" do jornalismo. Que nem gosto de chamar jornalistas a este tipo de paparazzi. Esta gente é o típico cusco, vive para ganhar alguma coisa em prol de nada da vida de outras pessoas. Acredito que essa foi a causa da morte. E acredito mais ainda que, pessoas famosas perdem vida todos os dias, devido à existência desta gente.

28
Jun17

"Não entendo esta merda!"

Maria

Diz o Nilton aqui:

"Não entendo esta merda!
Um pavilhão cheio em menos de uma semana. Houve 25 actuações dos melhores músicos portugueses (e muitos mais teríamos para actuar ali). Trabalharam gratuitamente para o evento quase mil pessoas. As televisões uniram-se e a rádio, pela primeira vez na história deste país, fiz uma emissão única com profissionais de todas as estações sentados na mesma mesa durante 5 horas de uma emissão histórica. Foram angariados mais de 1 milhão e 150 mil euros num evento sem precedentes e que mostra que somos um povo brutal.
Hoje, a maioria da imprensa e as redes sociais só falam do “peido” do Salvador Sobral. Parece que ninguém percebeu o que se passou ali."

Foi exactamente o que eu quis dizer hoje logo pela manhã no meu facebook mas por outras palavras. Não consigo entender. A mensagem importante não partilham.

Prioridades...

18
Jun17

Pray for Portugal!

Maria

Estamos de luto.

bombeiros.jpg

 

62 mortos (em actualização) e 54 feridos.
Acordar com estas actualizações é começar um dia com o coração apertadinho de tristeza por #Pedrógão Grande!
Uma tragédia gigantesca que infelizmente prevê-se aumentar.
Vítimas em carros, na estrada e em casas destruídas. Imagens de terror. Muito calor, muito vento. Poucos meios.
O meu coração está com a família das vítimas e com os bombeiros que acredito, dentro do que lhes é possível fazem o impossível com os factores adversos que os limitam.

Que possamos ser solidários como sempre somos reconhecidos pela nossa ajuda, quem é de mais perto que ajudem com água, leite e frutas para os bombeiros que estão há horas em esforço a combater forças da natureza que mais parecem não estarem ao alcance do comum mortal.

Para todos os desalojados e famílias que perderam quase tudo, desejo que tenham força para ultrapassar esta enorme tragédia.
Os meus sentimentos a todos os afectados 

29
Nov16

Força Chapecoense!

Maria

Nunca há muito a dizer sobre tragédias. Ficamos boquiabertos, não queremos acreditar e rezamos a todos os santinhos pensando como é possível?

Na verdade, há um destino daqui a uns segundos que nos é completamente desconhecido. A todos. Mas há tragédias que ceifam vidas desta maneira que nos deixam assim sem muitas palavras.

E depois surgem os vídeos, os sorrisos, as palavras e o sonho. O sonho que era estarem ali....

O pensamento é um só, que a força esteja com a família de todos os que perderam a vida neste trágico acidente de avião, com a família, mas também com os amigos, com os adeptos que viviam também o sonho, com todos os outros que pertenciam à equipa. Não perdem um amigo, perdem vários de uma vez só. Muita força para os sobreviventes, que consigam recuperar e que tenham paz no coração. Porque não lhes imagino a dor. Só a sorte. Independentemente de tudo, sobreviver a um acidente de avião é quase um milagre.

"Avião despenha-se na Colômbia, seguiam 22 futebolistas da Chapecoense, 28 dirigentes, membros da equipa técnica e convidados, 22 jornalistas e nove tripulantes.

Na aeronave estavam 81 pessoas, das quais terão sobrevivido seis, três jogadores, dois tripulantes e um jornalista."

 

Sobre mim

foto do autor

Espreitem Como eu Blog

Expressões à moda das “tripas” do Porto!

Sigam-me

<>

INSTAGRAM

<>

<>

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sorriso desde 11/02/09

<>

<>

Twita-me

<>

<>

Pesquisar

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D