Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SorrisoIncógnito

Todo o sorriso é apaixonante devido ao incógnito que o ofusca! SORRIR_um estado de espírito...

27
Jun19

Matilde, uma bebé especial

Maria

 

"Olá,

Eu sou a Matilde tenho 2 meses e sou uma bebé especial, tenho um mano o Rodrigo que tem 18 meses e uma mana crescida a Thaís que já tem 11 anos!
Com 1 mês e 2 semanas, foi-me diagnosticada uma doença rara Atrofia Muscular Espinhal - AME Tipo I, a forma mais grave da doença."
 
É assim apresentada na sua página de facebook, a Matilde que precisa o mais urgente possível de um tratamento que existe apenas nos EUA já aprovado mas cujo medicamento ascende ao absurdo valor de dois milhões de euros. É só o medicamento mais caro do mundo, mas com ele podem deixar de ter o destino traçado.
A Matilde é a prova de que as aparências enganam. Aos nossos olhos, uma menina tão bonita, tão expressiva, de olho arregalado tem uma doença muito grave com um destino traçado se não nos juntarmos com o que pudermos. Dois meses de vida caramba!
Já pensaram se todos conseguíssemos dar 1€ que seja? Que tantas vezes desperdiçamos em chicletes, rebuçados, ou naquele doce que corremos a fazer exercício para ele desaparecer do nosso corpo? E é aqui que me torço toda quando me lembro que há arrumadores por exemplo com tão bom corpo para trabalhar e nós lhes damos dinheiro e viramos a cara sem doar um euro que seja a casos como os da Matilde.
O que conseguirem contribuam e passem a palavra. Hoje é a Matilde, amanhã poderá ser por um de nós.
Eu acabei de contribuir com aquilo que posso. O IBAN está acima na imagem e na página dela. E vocês?
Passem a palavra!
Muita Força 
12
Fev19

Faceweek*

Maria

IMG_20190212_105106.jpg

Aqui ficam alguns looks usados. No último faceweek dizia que ainda era estranho me ver tão loira, principalmente porque as madeixas tinham aberto bastante e estava demasiado claro. Já não estava habituada e tratei disso. Fui novamente à cabeleireira. E a diferença está nas últimas duas fotos. Em que uma ainda é de sexta-feira passada e estava loiríssima e a outra é de domingo no qual já tinha voltado a ser morena. E estou naquele misto de tenho saudades do loiro afinal, mas gosto do moreno. Mulheres, é isto, nunca estamos bem. Mas ter a noção que, o ano passado fui uma única vez à cabeleireira e este ano já fui a segunda vez e ainda estamos a meio de Fevereiro dá-me cólicas.

IMG_20190208_192547_092.jpg

Voltei a dar sangue. Oh e isso como me orgulha. Passou um tempo desde a ultima vez, porque como sabem, nem sempre depende de nós. E para darmos sangue temos que estar bem de saúde. Nos últimos tempos não consegui dar por isso mesmo, as minhas crises de garganta não davam tréguas e a medicação deitava por água abaixo qualquer intenção de ser solidária deste modo. Posto isto, e porque ultimamente está tudo favorável, Graç' à Deus, lá fui eu fazer a boa acção de olhar um pouco para o "outro". E estar ali faz-me sentir bem. Sem um único medo. E de coração aberto.

IMG_20190207_214636_494.jpg

O pormenor da ultima manicure usada. Verniz preto que adoro, da  @Andreia nº 19!

Podem sempre acompanhar todas as novidades: 

25
Set18

A minha rua é melhor que a tua #7

Maria

Lembram-se do meu vizinho que a família não ligava nenhuma e que era ajudado por todos lá na rua? Devido à doença, abandonou a casa onde estava, neste momento está num hospital a ter cuidados continuados. Infelizmente nunca mais o vi, mas vamos sabendo notícias, sei que já tem familiares que o visitam, sei que não fala desde o seu internamento no IPO e poucas visitas pode receber porque fica muito ansioso por não poder falar e ainda é pior. Infelizmente. Mas lembro-me imensas vezes dele e sei, que se ali continuasse todos os vizinhos o continuavam a ajudar...

Como disse ele saiu da casa onde estava e foi para lá viver um casal idoso. Deram-se as boas vindas e nunca houve muita conversa, a senhora lá anda na sua vida e o senhor é acamado. Só há uns dias após comprar uma máquina de lavar roupa pediu-me se lá podia ir explicar como a coisa funcionava. E eu lá fui. Agradeceu-me de cada vez que lhe expliquei alguma coisa.

Na sexta-feira à noite estava a chegar a casa e ouvi uns gritos. Esperei para ver de onde vinham e ouvia alguém a chorar desesperadamente. Estava eu ainda na rua quando a minha mãe vem cá fora também com o barulho. Apercebemos-nos que era da casa dessa vizinha. Corremos até lá, encontramos outra vizinha também a lá chegar e... a senhora estava desesperada. Tinha acabado de receber a notícia por telefone que o marido falecera no hospital para onde tinha seguido durante a tarde.

A senhora na casa dos oitenta anos por volta da meia noite e meia recebeu aquela notícia sozinha em casa. Já tinha chamado a filha mais próxima. E ficamos ali a tentar acalmar aquilo que nestas alturas não se acalma. O coração de quem ama. Chegou outra filha e estávamos nós, as vizinhas que se aperceberam ali com o sofrimento daquela mulher.

Já mais tarde, quando começaram a chegar familiares, retirei-me para fora de casa e ali à porta uma das filhas agradecia o termos ido logo lá. Vezes sem conta agradeceu.

E Eu só pensava no quanto os vizinhos nos podem ser.

Não lhes retiramos a dor. Mas não assobiamos para o ar enquanto o "vizinho do lado" esmorece aos poucos.

Eu já disse que a minha rua é melhor que a tua? A minha rua é melhor que a tua. É isso.

29
Ago18

ALERTA Dadores de Medula

Maria

A querida m-M está a passar por uma fase que abana qualquer família. Eu já sou dadora de medula por isso o mais que posso fazer é partilhar o seu pedido e passar a palavra.

Repost dela:

 

[Para quem não me segue no Facebook, repito aqui. Todo e qualquer alcance é importante. Sonho chegar a quem nos possa ajudar.]

 

Meus doces...

Devem ter reparado que andei mais afastada da internet nos últimos dias...

Pois é... um daqueles medos que todos temos, mas pelos quais ninguém quer passar, atingiu a minha família.

ALERTA - DADORES DE MEDULA

A minha irmã foi diagnosticada com falência grave de medula, na semana passada.

Estamos a fazer todos os testes de compatibilidade para encontrar um dador familiar direto...

A minha A. tem 38 anos, é mãe de duas crianças (o meu sobrinho H. e a minha sobrinha L.) e sempre foi saudável...

Caso não haja um dador direto na família (eu sou a melhor e única hipótese), ela entra na lista internacional, por isso precisamos de aumentar as hipóteses de encontrar um dador compatível, mais cedo do que tarde.

Peço-vos:
* Tornem-se dadores de medula óssea;
* Se já o és (OBRIGADA!) partilha este status com os teus familiares e amigos.
(Confirma as características de um dador de medula e onde podes tornar-te parte da lista internacional no IPST)

Vamos aumentar as probabilidades, hoje por ela, amanhã por todos quantos os que precisam!

 

[Estou muito grata a todos os quantos já partilharam, a todos os quantos já são dadores e a quem já está a tratar de o poder ser. Eu, aguardo novidades do IPO.]

 

》Sejam dadores. Ajudem vidas. Passem a palavra. ❤

06
Set17

Do(s) dinheiro(s) que desaparece(m)...

Maria

Pedrógão grande é só um exemplo, a ser verdade, de "mas onde raio pára o dinheiro angariado"?

Ele não desapareceu como se não existiu. Todos, mas TODOS mesmo temos a consciência que ele está por aí, nas mãos de quem não deve enquanto quem precisa continua a ver "navios".

Quando me pedem dinheiro para alguma coisa, sou um pouco fria. De coração gosto de ajudar, mas gosto de ir aos sítios que precisam da ajuda ou às pessoas em causa. O dinheiro é algo fácil de fazer nosso quando cai em maus fáceis de se esquecerem de valores.

Isto é assim desde que, um dia, ali na zona do liceu onde andava, um miúdo se aproximou de mim, com uns chinelos de sola gasta e uns farrapos a transparecer o corpo magrela e me disse "dá-me um moedinha, estou cheio de fome". Eu dei. Não pensei duas vezes. Dei e apenas disse vai comer qualquer coisa.

Pouco tempo depois ao entrar no café que eu frequentava, o miúdo estava sentado à porta do café eu entrei e lá dentro estava a mãe a comer um hambúrguer.

Aquilo revoltou-me, porque foi fácil de perceber o que ali tinha acontecido.

Pedi um pão com queijo chamei o miúdo e dei-lhe.

Usou o filho para seu proveito.

Ficou-me. Jamais esqueci. Ficou a lição.

 

Toda uma atitude desprovida de valores, afectos, convicções e moralidade.

Não é disso que se trata quando se usam "vítimas" em prol de algo que não seja apenas e só a ajuda a elas?

28
Jun17

"Não entendo esta merda!"

Maria

Diz o Nilton aqui:

"Não entendo esta merda!
Um pavilhão cheio em menos de uma semana. Houve 25 actuações dos melhores músicos portugueses (e muitos mais teríamos para actuar ali). Trabalharam gratuitamente para o evento quase mil pessoas. As televisões uniram-se e a rádio, pela primeira vez na história deste país, fiz uma emissão única com profissionais de todas as estações sentados na mesma mesa durante 5 horas de uma emissão histórica. Foram angariados mais de 1 milhão e 150 mil euros num evento sem precedentes e que mostra que somos um povo brutal.
Hoje, a maioria da imprensa e as redes sociais só falam do “peido” do Salvador Sobral. Parece que ninguém percebeu o que se passou ali."

Foi exactamente o que eu quis dizer hoje logo pela manhã no meu facebook mas por outras palavras. Não consigo entender. A mensagem importante não partilham.

Prioridades...

05
Jun17

One Love Manchester - Ariana Grande

Maria

Ontem Ariana Grande voltou a Manchester para um concerto solidário em memória das vítimas do atentado de Manchester no fim do seu concerto no passado 22 de Maio. As receitas reverteram para a família das vítimas do ataque. Os bilhetes esgotaram em seis minutos após terem sido postos à venda (incrível).

Ontem assisti a algumas partes do concerto, em que Ariana Grande teve imensos convidados especiais, com quem partilhou o palco, na música, na solidariedade e nas mensagens de apoio.

Coldplay, Katy Perry, Miley Cyrus, Justin Bieber, Robbie Williams, Black Eyed Peas entre tantos outros grandes da música que aceitaram o convite de Ariana.

Durante o que vi, Ariana mostrou-se sempre bastante emocionada principalmente no final do concerto.

Fechou-o com a maravilhosa música "Somewhere Over the Rainbow".

 

Fica também outro "dueto" que adorei com a Miley Cyrus de outra música bem conhecida - "Don't dream it´s over".

 

20
Mar17

As calças são as mesmas, o peso na balança não!

Maria

Pela primeira vez pensei em fazer dieta, ser menos #MariaTexuga. A roupa não tem deixado de servir, tem ficado mais justa. E eu ando mais preguiçosa sem tanto tempo para exercício físico. Mentirinha, devido a outros factores externos à preguicite mas "internos" à minha saúde não estou a conseguir acompanhar as aulas e os treinos como antes, as três vezes por semana. E a coisa foi-se dando e tenho a sensação que deixei mais de fazer. Quero mudar isso. Em rascunho já andam há muito exercícios para fazer em casa. Nada feito. Ainda. Mas quero. E vou fazer um plano, depois partilho. E os dias estão "maiores". Sair do trabalho de dia é mais aliciante. Quero voltar às caminhadas. Ontem fui fazer uma caminhada de ajuda a uma boa causa, a luta contra o cancro, nove quilómetros em monte. Correu super bem, mas foi cansativa. O percurso não era muito fácil para uma #MariaTexuga que está habituada apenas a subir escadas e não montes sempre no lufa lufa. Mas a coisa fez-se. Senti-me muito mais saudável. Ou apenas normal com umas dores de pernas e um cansaço compreensível. Mas as paisagens? Isso sim, vale a pena. Aliar ao exercício físico, natureza e boas paisagens é meio caminho andado para me aventurar a ir. Tão só por isso ginásios nunca foi o meu forte.

IMG_20170320_190157.jpg

 

Mas depois a #MariaTexuga que há em mim é uma danada e faz-me resistir a quase tudo menos a comida.

Posto isto, vamos lá a uma aula de zumba que hoje é dia.

03
Jan17

Back to work!

Maria

2016 foi-se. O mano e família também já foram. As férias acabaram. Veio 2017. Começa aqui (sim eu sei que o ano já conta com três dias) mais um ano em branco que inicia mais uma série de capítulos (bons espera-se!). Volta-se ao trabalho e mesmo não sendo fácil, mesmo aqueles cinco minutos difíceis pela manhã para sair da cama com este gelo, mesmo aquele primeiro pensamento matinal "oh não, tenho que ir trabalhar", o facto de ter para onde vir é começar bem o ano.

Foram umas férias maravilhosas por ter tido a sorte de passar com os meus. Desliguei completamente de quase tudo. Foram dias bem dispostos, muitas gargalhadas. Muita emoção. Partilha. Muita engorda.

Ontem foi dia de voltar ao aeroporto. Dia de dizer até já. De querer muito estar junto. De querer parar o tempo. De dar os abraços e beijos possíveis. De sorrir com o rosto em lágrimas. De tirar mais fotos, de olhar e olhar, de perder-se no olhar. De mais abraços e de me perder nas "entrelinhas". De ainda ouvir o pikeno a dizer "até pode ser que te deixem ir connosco no avião mesmo sem bilhete". De voltar a casa e sentir - aquele - vazio. De agradecer por isto ter sido possível. 

Hoje começa-me o ano. O [meu] Janeiro.

Hoje voltei à rotina. Ao acordar cedo. Ao sair de casa e conduzir cedo até ao trabalho com a Rádio Comercial como companhia. Comecei da melhor maneira ao ouvir na Comercial que é possível acreditar nas pessoas, quando depois de ouvir a história do Paulo e da Lucinda, aquele casal que em Agosto do ano passado na A1 distribuíram água sem pedir nada em troca a uma multidão de pessoas que se encontravam lá paradas no trânsito. Hoje a vida trocou-lhe as voltas e são eles que precisam de ajuda. A Lucinda está com problemas de saúde e o Paulo ficou desempregado. Pelo que percebi houve imensas pessoas a ligarem para a Comercial a quererem ajudar o casal.

Venho trabalhar e ouço isto, há melhor maneira de começar o ano?

É ajudar o próximo, é tentar ser positivo e sorrir, sempre!

12
Dez16

A minha rua é melhor que a tua #4

Maria

É sempre um orgulho falar da minha rua. Porque realmente gosto da rua que me acolhe há tantos anos. Mais, as pessoas que lá vivem. Já aqui falei imensas vezes dos meus vizinhos. E tão só por isso e muito mais, continuo a dizer que a minha rua é melhor que a vossa.

Continuo a ter o vizinho que a família não liga e que continua a ser ajudado por todos lá da rua. E é dele que hoje venho falar, mais uma vez. Ele lá continua na sua vidinha. Sozinho. Pelo que sei sem contacto com familiares e com contacto com os vizinhos. Sempre o mesmo, extremamente bem educado, sempre com um sorriso e uma mão levantada a cumprimentar. Continua a gostar de beber o seu copo e não condeno, muitas vezes acredito que será mesmo a sua única companhia. Nós vizinhos, vamos fazendo o que se pode.

Ontem, combinado anteriormente, foi a minha mãe que lhe deu o almoço. Fez-se assado e partilhou-se com ele. Nesta semana que é particularmente difícil. Soube há poucos dias que está doente...e esta semana recebeu a informação que será agora internado no IPO. Partilhou com os vizinhos que mais o ajudam a notícia e todos ficamos naturalmente "tocados" com a notícia. Principalmente nesta época de família, coisa que lhe falta. Imagino que as conversas e os desabafos que tanto se precisa o "sufoquem".

Ele agradece vezes sem conta o que se partilha com ele e acredito que no fundo seja isso que lhe consola o coração. Nunca sabemos ao olhar para uma pessoa a vida que carrega. E eu espero que lhe esteja reservado o melhor caminho. Porque merece. E que consiga encontrar sempre "vizinhos" que o ajudem.

Eu já disse que a minha rua é melhor que a tua? A minha rua é melhor que a tua. É isso.

Sobre mim

foto do autor

Espreitem Como eu Blog

Sigam-me

<>

INSTAGRAM

<>

<>

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sorriso desde 11/02/09

<>

<>

Twita-me

<>

<>

Pesquisar

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D