Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SorrisoIncógnito

Todo o sorriso é apaixonante devido ao incógnito que o ofusca! SORRIR_um estado de espírito...

21
Mar20

Da Primavera que sempre me chega hoje, 21 de Março!

Maria

És a minha primavera que me começa desde que me conheço a 21 de Março.

Não são as datas. Mas é o teu dia.

Programei estar talvez aí, hoje, por ser fim-de-semana, mas a vida é isto das voltas. Das incertezas e das maiores certezas que a vida é isto. 

Mas também é saudade. Muita. De nos ver juntos. De não ter esta distância que nos separa. De te poder abraçar e de rirmos ali juntos. 

Tenho saudades da nossa infância. De como nos gostávamos, protegemos e tentamos lidar sempre com a educação que tivemos com todas as dificuldades.

Crescemos juntos e fomos sempre muito amigos. Talvez nunca conseguisse entender como há irmãos que não se dão. Nós ainda hoje, falamos quase todos os dias, mesmo estando a milhas de distância.

Ensinaste-me a crescer rápido porque me levavas contigo para todo o lado. Os meus amigos foram em grande parte os teus amigos, logo pessoal mais velho que eu. E que hoje não mudaria nada.

Contigo aprendi a fazer a fazer costeletas às duas da manhã que fosse, porque não te deitavas sem petiscar alguma coisa, muito menos quando vínhamos da night. Agora entendem esta #MariaTexuga que gosta de comer antes de se deitar? 

Tenho saudade desse tempo. 

Aqui, ali ou acolá, mas juntos mesmo com esta distância que nos separa.
Desejo-te um dia feliz! Uma vida feliz e mil sorrisos! Mais cedo ou mais tarde estamos juntos.
Parabéns Mano! Amo tu 

27
Dez19

Natal!

Maria

A esta hora já todos desembrulharam os presentes e já voltou quase tudo ao normal. Há o presente que adoraram assim como aquele que trocavam na hora, mas há talvez um que tenham mesmo que ir trocar. 

Eu passei o Natal com os meus pais. Alguns dizem, só os três ? sim e foi óptimo. Depois fui aos tios aos primos e acabei em casa dos compadres com as minhas pequenas que deram mais sentido à coisa.

Mas há mesas que juntaram imensa gente mas se calhar faltava lá o pai ou a mãe, um irmão uma irmã um filho talvez e com certeza por isso, apesar de muita gente faltava-lhes quase tudo. Eu graças a Deus posso ter eles comigo. Mas nunca o deixei de aqui partilhar que quando não tenho todos comigo falta-me o Natal. O sentido. O propósito. A essência . E falta também quase tudo. E trocava todas as prendas por os ter ali à volta da mesa. Pelas gargalhadas, pelos brindes, pelas conversas...

Falta tantas vezes tanto no Natal e só ligamos se não se comprou tudo o que se queria, se aquele presente se atrasou ou se aquela pessoa se esqueceu de nos dar um miminho. E falta-nos então o essencial.

Não vejo o Natal como sendo a noite da troca de presentes, quando muito em pequena. Quando muito quando era na casa da avó e isso infelizmente já foi há muitos muitos anos. Mas mesmo assim, sempre foi [-me] a noite da família. Não tinha outro sentido. Não tem. No dia que tiver outro sentido perdi-me.

Continuo a achar um perfeito disparate comprar umas meias ou umas cuecas pela inevitável situação de ter que dar alguma coisa.

O Natal não é isto.

Às vezes não compreendem quando digo que em minha casa muitas vezes não há quase presentes debaixo da árvore. 

Mas, quem olha para o Natal como eu olho sentirá o porquê.

Durante anos vivi um Natal em casa da avó que era o típico Natal dos filmes. Cozinha cheia. Miúdos. Família. O Pai Natal a chegar com os sacos. Crianças. Presentes. 

A avó partiu e tudo mudou. Tudo. Menos os valores que ela sempre nos passou. Que o Natal era aquele sentimento ali à mesa, a família junta. O amor. Que o estar presente é TUDO!

Após isso, tudo ficou muito mais claro para mim. Os natais começaram a ser bem diferentes. Cada um para seu lado cada vez mais. E os presentes deixaram até de ter sentido tantas vezes.

Acredito que há casas que sejam mais felizes pela troca de presentes. A minha é muito mais feliz com a troca de gargalhadas, de conversas, de brindes. Se isso me falta. Tudo o resto falta e um presente é apenas um objecto embrulhado com cor que não me tem brilho.

Isto é [-me] o Natal.

Quando não consigo passar o Natal com quem quero à mesa. Tudo o resto que pintam não faz assim tanto sentido.  

Eu já passei Natais de casa cheia. Já passei Natais apenas com os meus pais (e graças a Deus). Já passei a noite da consoada de Natal num avião - a caminho dos melhores. Eu quero é que eles me tenham sentido. Com a família. Com os meus mais certos. E pouco ligo quando não recebo nada. Mas continua a doer quando não tenho os meus comigo. Muito. Quando eles faltam. Não há natal. Muito menos presente que me valha.

O início de Dezembro é sempre angustiante para mim. Ansiosa sempre por tentar perceber como vai ser uma vez mais o Natal.

Até que as coisas se decidam.

Este ano, infelizmente não consegui ter os meus comigo. As minhas metades. E foi, mais uma vez isso que me fez olhar para o Natal deste ano com menos sentido. Um dia quase como os outros. 

É por isso que digo muitas vezes, Natal é quando o "homem" quiser. E eu vou contar os dias para que, independentemente do dia em que calhar, haja um natal onde quer que seja, mas com eles. Apenas com eles há natal. Dos bons. Sem silêncios que magoam e ciscos nos olhos. Com gargalhadas boas e abraços.  Sentidos ♡

31
Jul19

Dias especiais ❤

Maria

Lomogram_2013-08-23_06-17-48-.jpg

 

Há onze anos que me és mais um pedaço também de mim, que te olho como sendo meu. Que te amo com todo o coração e mais algum, que te sinto saudade a cada dia. Que me orgulho do sorriso lindo que tens. Que me fazes apaixonar mais um bocadinho cada vez que me contas as tuas traquinices. Que me babo de orgulho a olhar para ti pelo menino amigo, educado, encantador, simpático e amoroso que te tornaste.

Estás um crescido. Eu uma tia babada. Queria dar-te o maior abraço até continuares a dizer "isso é um bocadinho chato" ou "já chega, não achas que estás a exagerar?". Continuo a acreditar que pode ser que um dia, os astros se cruzem e a gente comemore junto. Até lá, é como se estivesse aí do teu lado, cantei os Parabéns com o mesmo entusiasmo e os olhos ficaram cheios de ciscos. Tudo porque te quero o melhor do mundo.

Amo-te meu pequeno. Dez anos de ti. Como eu te Amo. Como te tenho saudade todos os dias.

Parabéns meu bem ♥ sê feliz meu {sempre} pequeno!

27
Dez18

Do que faz sentido no Natal ♡

Maria

É claro que gosto do Natal.

Já gostei mais? Talvez. Tem anos que gosto mais. Tem outros anos que gosto menos um bocadinho. Uma pessoa habitua-se.

Se me é família e se é isso que me faz sentido ser Natal, é natural que quando à mesa não tenho todos os meus comigo isso deixe o Natal mais triste. Mas a vida há muito não é bem o que nós queremos. Muito mais a de terceiros.

Sempre fui um pouco avessa com presentes. Nem a dar nem a receber. Sou de longe a pessoa mais entusiasta. Deixo tudo para a ultima, só porque tento ganhar mais entusiasmo para os escolher, às vezes esse entusiasmo nem chega. E sinto que nem tenho culpa nisso. É mais forte que eu a falta de ter alguém, a ter presentes. Por isso tudo vira secundário. Para mim, daí a entender que para outros não o seja. E na verdade há que procurar presentes. 

Este foi mais um Natal daqueles que são um bocadinho menos bonitos. Agradeço por poder passar com os meus maiores comigo, mas a falta dos outros não deixa de ser sentida por um minuto que seja.

À mesa nada faltou, mas em volta faltou a alegria do pequeno. As risadas do mano. As gargalhadas sinceras dos meus pais. O amor que nos une. Aquela companhia. Aquela alegria de estar juntos que basta para encher uma casa.

E assim se passou por entre chamadas, mensagens, partilha de vídeos no whatsapp e videochamadas para manter tudo pertinho do coração. 

Na verdade não faltou nada, estive com família. Estive com os meus pais. Fui a casa dos tios, estive com os primos. Fui aos amigos. Mas depois ali à volta da mesa. Faltou muito. À volta, não em cima. Mesmo com o coração cheio.

O entusiasmo dos presentes debaixo da árvore não é o mesmo. Mas isso é o sentido. Nem me fazia sentido se fosse diferente. Mas depois uma pessoa com os anos habitua-se. Ou não.

Talvez por isso eu não ligue a presentes. Os meus valores não mudaram. O Natal só me faz sentido quando à mesa consigo juntar um pouco do que acho ser Natal. E isso é raro e não há presente que me encha o coração desse vazio preenchido pela melancolia de saber o que é o Natal. Para muitos é a noite da troca de presentes. Para mim isso é secundário. De coração. E pouco ligo quando não recebo nada. Mas continua a doer quando não tenho os meus comigo. Muito.

Mas o Natal foi bom ( comi muito bem e bebi ainda melhor). Podia é ser muito melhor. E o vosso Natal, texuguinhos?
19
Dez18

Natal

Maria

Eu não sei bem se é da época mas acredito que sim. O Tpm sempre pode ajudar. Mas... esta época abalroa as nossas emoções e hormonas.

Esta semana que antecede o Natal é sempre uma semana de saudade. Tenho imensas saudades de gente que queria muito que estivesse cá nesta altura. Muito mesmo. E são coisas que não se explicam. Cada um sente à sua maneira. E há os que se habituam, há aqueles que por muito que digam que estão habituados e que façam peito cheio, e decididamente eu faço parte destes últimos, oh pá a coisa mói. E bem.

Tenho saudades de pessoas que já cá não estão. Mas muitas saudades das pessoas que estão cá, mas não vão estar para aquele abraço, aquelas gargalhadas, aquelas conversas. E pronto, basta falar que tudo se atropela. Tenho saudades das minhas pessoas. Da família e amigos. Tenho saudades de abraçar pessoas às quais a vida nos separou mas que me deixam saudade. Daquelas que davam abraços tão bons e silêncios necessários. Tenho saudades do meu melhor amigo. Saudades de ter à mesa os meus todos juntos. De fazer sentido. Não querer voltar lá trás. Mas saudades de continuar a fazer sentido, agora, com eles, cá.

Nesta altura não há como não ter saudades da avó. Da casa cheia que sempre nos trouxe. daqueles abraços gostosos, reconfortantes, cheios de tudo. Daqueles olhos emocionados de tanto amor no coração. Tenho saudades do que conseguia juntar à mesa. Dos tios, dos primos. Do barulho.

Não há como não ter saudades de amigos que já não vêm. Que as vidas afastaram. Que a distância é grande. Mas que levaram os melhores dos abraços também. E tenho saudades. De não falar e entenderem. De não pedir e saberem o que se precisa.

Nesta altura provavelmente não entenderão o quão desinteressada sou em procurar presentes. Ou em receber. Há muito mais que me move que me faz falta. E isso ninguém sente por mim. Ninguém entenderá por mim.

E eu não deixo de ficar contente, mesmo estando triste. Com a época. Com as saudades.

E eu gosto sempre um bocadinho menos do Natal quando não tenho os meus comigo. É legítimo. É sentido. É o meu.

31
Jul18

Dias especiais ❤

Maria

Lomogram_2013-08-23_06-17-48-.jpg

 

Há dez anos que me és mais um pedaço também de mim, que te olho como sendo meu. Que te amo com todo o coração e mais algum, que te sinto saudade a cada dia. Que me orgulho do sorriso lindo que tens. Que me fazes apaixonar mais um bocadinho cada vez que me contas as tuas traquinices. Que me babo de orgulho a olhar para ti pelo menino amigo, educado, encantador, simpático e amoroso que te tornaste.

Estás um crescido. Eu uma tia babada. Queria dar-te o maior abraço até dizeres "isso é um bocadinho chato" ou "já chega, não achas que estás a exagerar?". Continuo a acreditar que pode ser que um dia, os astros se cruzem e a gente comemore junto. Até lá, é como se estivesse aí do teu lado, cantei os Parabéns com o mesmo entusiasmo e os olhos ficaram cheios de ciscos. Tudo porque te quero o melhor do mundo.

Amo-te meu pequeno. Dez anos de ti. Como eu te Amo. Como te tenho saudade todos os dias.

Parabéns meu bem ♥ sê feliz meu {sempre} pequeno!

22
Jun18

Ciscos nos olhos e quilómetros de distância. 4 anos depois.

Maria

Há quatro anos atrás.

17 Setembro de 2014.

Começaste uma nova etapa na tua vida. Lá longe.

Esta cena da distância das pessoas é do caraças. E por muito que nos dias que correm com as novas tecnologias dêem para suportar muita coisa, a verdade é que perdes tanto dos outros que te estão distantes. Nós somos uns seres que nunca nos satisfazemos com nada de jeito e não dá-mos graças áquilo que temos de bom na vida. Mesmo aquelas pequeninas coisas que até já são rotina e que nos fazem um dia acordar e dizer “porra, estou farta desta rotina”. Há mesmo quem não tenha essa rotina. Simples, fácil e feliz para muitos. Impossível para outros.

Hoje o meu pequeno vai para a escola. Está um crescido. Como o tempo passa. Hoje o pequeno vai para a escola e eu gostava de estar lá para ver, nem que fosse ao longe por entre os pingos da chuva e as grades da escola a ver como o mundo dele hoje muda. Hoje gostava de o ter visto a acordar e ouvi-lo dizer que estava com medo, estar lá, segurar-lhe na mão e conter as minhas lágrimas perante as dele. Gostava de ter tomado o pequeno-almoço com ele mesmo que à pressa. Gostava de o ter ajudado a pôr a mochila nova às costas e a apertar as sapatilhas do benfica que detesto. Hoje gostava de lhe dizer que ele vai conhecer novos amigos e que vai ter muitos, assim como no infantário. Que vai aprender muitas coisas boas e todos os dias vai trazer novas aventuras para contar. Gostava de lhe dizer que vai encontrar algumas Eduardas mas que também vai conhecer "Fernandos" a quem lhe vai apetecer apertar o pescoço. Hoje, gostava de o ter ajudado a entrar no carro e fazer com que até à escolinha risse com a palhaça que tantas vezes sou. Gostava de lhe ter dado a mão até ao portão da escola e dizer “isto passa rápido, já já estou aqui para te vir buscar”, ou que “depois logo passamos ali no Lido e brincamos um pouco”. Hoje gostava de ter saído da escola dele de coração nas mãos e derramar rios ao entrar no carro já longe da vista dele. Mas entre o querer e o poder há a merda da distância.

 

Hoje, passados quatro anos, estás um crescido. E acabas essa mesma etapa. Mais uma. És finalista. E logo logo começarás outra.

Continuo a ter a merda da distância a separar-nos. E uma vontade de tanta coisa como escrevi há quatro anos.

Hoje neste final desta etapa na tua vida, continuo aqui, longe. E estes ciscos nos olhos que vão pro rai’que os parta. Que me inervam. Ciscos nos olhos e quilómetros de distância. Grande merda.

10
Nov17

Novembro

Maria

Queria vezes sem conta que Novembro fosse mais um mês. Que não precisasse falar dele com todo este sentimento cá dentro. Mas na verdade, não consigo.

Tem-me travado a fala. A inspiração. Quero dizer(-te) tanto que acabo por não dizer nada. Fecho-me cada vez mais e escasseio as palavras.

Até posso chegar a considera-lo mal resolvido. Mas não deveria ser, de todo. No entanto a energia que baixa, sobrepõe-se a tudo e mais alguma coisa e as palavras não saem, por mais que se atrapalhem cá dentro.

Precisar de falar, sentir isso, é dar-lhe toda a importância que não queria. Mas Novembro mão me é mau. Nada disso. Pelo contrário. É o mês da melhor pessoa da minha vida e isso enche-me o coração.

Fazemos memórias na nossa história, criamos capítulos, fechamos. Mas nunca escrevemos fim. Alguém o fará por nós. E sinto, que há capítulos que ficaram as reticências. Não há espera que alguém os feche, mas porque tinham um sem número de coisas a serem escritas mas não o foram.

Pensamos vezes sem conta que, a nossa memória brinca connosco. Pelo menos a minha assim o faz. Tenho como grandes amigos os post-it porque me esqueço e distraio com mil e duas coisas, no entanto há tanta coisa que podia desvanecer com o tempo mas que na verdade nunca precisou de um post-it para ser lembrado.

Eu sou muito datas. Confesso. Tenho a particularidade de, muitas varrem-me da memória, não tanto como as que ficam. E muitas vezes, as que ficam trazem-me uma memória fotográfica descritiva pormenorizada. Assim mesmo. De momentos, que até lhes sinto o cheiro. E por isso me são fácil de lembrar.

A parte bem resolvida de tudo isto é que, lido bastante bem com a minha experiência de vida, com aquilo que vou acumulando e que vou trazendo. Ser aquilo que sou, fazendo parte todo um passado de há minutos atrás e gostar de mim tal e qual como sou. É sentir-me resolvida com o que tenho feito. Com o que trago comigo, com o que me acompanha e até copm tudo aquilo que não. É sentir-me capaz de lidar com todas as opções que fui fazendo, os caminhos que tenho traçado e até os passos atrás que tenho dado. As segundas oportunidades que dei, as que não dei e as que desperdicei.

Novembro continuará a ser aquele mês. O de dizer tudo e não dizer nada. O de lembrar. Ter saudade. O de seguir em frente. O de rir. O de sentir os ciscos no solhos. Novembro será especial enquanto tiver que ser. E enquanto as coisas andam a ser arrumadas. O resto, ser´ao resto. E o que tiver que ser será.

 

28
Set17

Carta ao...

Maria

Só de dizer o teu nome já fica apertadinho cá dentro.

Um dias destes perguntaram-me "isso tem mesmo muito valor para ti, não tem?".

20170928_141019.jpg

 

Mesmo antes de responder os olhos ficaram cheios de ciscos e só isso deu a resposta. Sabe-me a amuleto.

Tu sabes, eu não preciso de nada físico que te lembre. Tu estás e estarás sempre, sempre em mim. És das melhores pessoas que conheci na vida. E nunca vou ter palavras que te cheguem.

Há uma saudade de tudo. Do sorriso, do cheiro, do abraço, das "caralhadas". Do passar férias em tua casa. Daquela banquinha de madeira que me fizeste. Dos bailes a que me levavas. Do me teres ensinado a andar de lambreta. Da tua força. Saudade da tua voz.  A tua voz faz[-me] muita falta.

Às vezes dizem que temos anjos que nos protegem. Eu lembro sempre disso quando ando aos trambolhões e sinto ali aquela mão a proteger.

São dezoito anos sem ti. Dezoito caramba. Como o tempo passa. Como te sinto tão presente. Como te tenho saudade.

IMG_20170928_005034_960.jpg

 

Padrinho, tu sabes, daqui até ao infinito, Amo-te ♥ 

Sobre mim

foto do autor

Espreitem Como eu Blog

Expressões à moda das “tripas” do Porto!

Sigam-me

<>

<>

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sorriso desde 11/02/09

<>

<>

Twita-me

<>

<>

Pesquisar

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D