Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SorrisoIncógnito

Todo o sorriso é apaixonante devido ao incógnito que o ofusca! SORRIR_um estado de espírito...

21
Jun18

11:07H

Maria

Diz que nos começa o verão.

20180621_095926.jpg

 

Este verão, que ainda quase não nos soube a Primavera. Mas diz que agora sim é verão.

Ontem estava a ver que não ia conseguir ver o jogo porque estava trovoada e o sinal de tv de quando em vez puff. Hoje acordei com chuvinha da boa.

E diz que vai estar assim hoje e amanhã aqui a Norte. Na rádio Comercial disseram «ainda bem que não tiraram o guarda-chuva do carro porque vão precisar dele». Eu tinha posto na mala que é quase a mesma coisa de o ter tirado quando tive que sair do carro.

E a trovoada de quando em vez ainda se ouve.

Na semana passada, como referi no último faceweek, comecei a semana de botins com frio e acabei a semana com trinta graus de calções e perna ao léu. Esta semana comecei de perna ao léu e temperaturas bem altas e termina-se com chuvinha, nevoeiro, granizo, trovoada e temperatura boa vá.

Está certo.

Txau Primavera que foi mais envergonhada que eu. Diz que nos começa o verão. Diz que daqui a uma semana tenho as minhas primeiras férias [de verão] e espero sinceramente que nessa altura o tempo não resolva lembrar mais uma vez que este País é um País tropical cada vez mais.

28
Nov16

Vivo num país #2

Maria

Em que uma pessoa mata-se a trabalhar para poupar dinheiro para comprar um carro. Depois de comprar um carro vem uma personagem que o rouba tirando-nos muito mais que um carro, anos de vida a trabalhar e a poupar para ter algo nosso do qual precisamos na maioria para trabalhar. Mais tarde, na grande maioria das vezes essas personagens não são identificados e dos carros nem rasto, outras vezes, essa alegada personagem é identificada e o que é que lhe acontece? Nada. Ficam constituídos arguidos com termo de identidade e residência aka nada. E a quem ficou sem o carro, sem o dinheiro, sem as poupanças, sem o (muitas vezes) único meio de transporte? Nada também, fica sem isso e dê-se por feliz.

Vale ou não vale ser criminoso?! Eis a questão...

Pobre justiça a nossa. E desgraçado daquele que cai nestas mãos, tanto dos criminosos como da justiça...

05
Nov16

Vivo num país

Maria

Em que um GNR tem que pagar uma indemnização ao pai de uma criança que acidentalmente matou. Isto tudo aconteceu em 2008, quando o GNR perseguia o homem depois de um assalto onde levou o filho menor com ele. Vivo num país, em que um GNR tem que pagar 55 mil euros ao pai depois de esse pai ter levado o filho para  um assalto e ter-se posto em fuga. O GNR ainda não pode exercer as suas funções e acaba de pagar a indemnização e o pai inconsciente vai receber esse tal "prémio" por há oito anos ter feito um assalto levando o filho.

Vale ou não vale ser criminoso?! Eis a questão...

Pobre justiça à nossa.

02
Ago16

Ser Português em Portugal e falar estrangeiro é só estúpido.

Maria

Todos sabemos que Agosto é o mês dos emigrantes regressarem de férias ao nosso país. Eu costumo dizer que está aberta a época do "Jean-Michel vien ici imediatamente" ou do "Jean-Michel tu vas tomber e ainda levas por cima".

Sinceramente acho extremamente desnecessário por parte destes o falarem outra língua que não a sua própria língua, visto que são isso mesmo, portugueses. "Ah, até faço questão que os meus filhos lá sigam a escola portuguesa", mas depois cá é o que se vê.

Ontem num hipermercado cá na terrinha, há uma senhora que vem com o carrinho de compras contra mim, ao olhar, imediatamente diz-me "excusez moi, pardon!", ao que lhe respondo "de nada, de rien!". Ficou a olhar para mim com uma cara de parva, vira-se para a senhora que estava com ela e pergunta-lhe "mas afinal é para levar pêssegos ou maçãs?".

13876251_983380131760856_520727840353980056_n.jpg

Sim... é só estúpido.

21
Abr16

Assim vai o nosso país.

Maria

Esta polémica instalada sobre o governo mudar ou não o nome do Cartão do Cidadão para Cartão de Cidadania, faz-me lembrar um pouco aquela cena do mundo actual, em que há uma situação mais caricata ou alguém precisa de ajuda e as pessoas querem é fotografar e "discutem" se o devem fazer com ou sem flash ou qual o melhor ângulo da foto. O verdadeiro problema não interessa, interessa é, porque sim, o que for interesse para cada um. A discriminação está na nossa cabeça e cada um reflecte a sua.

Comparações estúpidas assim como "leis" que são propostas para voto.

Na realidade há todo um país cheio de problemas realmente importantes para discutir e discute-se isto.

09
Mar16

Nove anos.

Maria

De repente ao olhar para o calendário dei conta que deixei passar uma data importante. No fim-de-semana fez nove anos que trabalho por aqui. NOVE anos. Lembro-me tanto das primeiras peripécias. Lembro-me de cá chegar e chorar a dizer que não aguentava uma semana (um abre olhos para aqueles que começam num trabalho novo e é difícil, as vezes as coisas depois descomplicam um pouco). Lembro-me de poucos dias depois de cá ter começado a trabalhar o encarregado me dizer "em três tempos se não fores embora, ou tens uma panca como nós ou vais ficar com uma", hoje acredito que já tinha mas cada vez a panca dá sinais de piorar. Efeitos colaterais. Nada a fazer. Lembro-me de não ter achado nada piada a só haver homens na empresa, não tinha ninguém com quem dar dois dedos de conversa feminina. Com o tempo percebi que foi a melhor coisa que me podia ter acontecido, uma pena não haver um achado no meio deles que me despertasse a alma, mas não. Ligações unicamente profissionais e aliás são do mais educados e respeitosos possíveis. Acho que só uma vez alguém me "picou" pelo facto de estarmos em “patamares diferentes” e eu ser mulher. Foi uma situação pontual e nunca mais senti o que quer que fosse em relação a isso. Lembro-me de quando entrei para aqui um funcionário não me largar o pé. No início deixei andar porque pensei “é novidade isto passa-lhe”. Acabou por não lhe passar e ele levou uma repreensão não só do boss como de todos. Acabou por sair da empresa mais tarde. Não directamente por esta situação até porque nunca foi uma situação de extremos mas cheguei a rir-me com as fotografias que me enviava de gatinhos e flores para o telemóvel do trabalho. Tenho mil e duas peripécias sempre para contar desta empresa que já me trouxe tanta coisa boa e algumas menos boas. São nove anos e isto realmente é de loucos. Já chorei, mas já dei tanta risada boa, tanto com os funcionários, como com o boss, com os clientes (esta foi óptima), com os fornecedores ou mesmo com outros indivíduos que me aparecem à frente. Estou mais que atrofiada é certo. Fazer o quê?!

Continuo a agradecer por nos dias que correm, nesta crise que parece que ganhou raízes, ter trabalho. Continuo a agradecer as oportunidades que me vão sendo dadas. Continuo a resmungar todos os dias para sair da cama pela manhã, queixo-me pela cabeça massacrada com que chego muitas vezes ao fim do dia, bato o pé pelas vezes que ganho um cabelo branco por aturar gente que me tira do sério, dias há em que me revolto por ter tanta coisa nos meus ombros que às vezes me tira o sono, mas caramba, se ficasse em casa, se não tivesse trabalho, se fizesse parte da enorme lista de desempregados do país, aí sim o atrofio seria muito maior.

Como eu agradeço por ter trabalho. Mas se aguentar mais um ano, acho que no mínimo tenho direito a um busto em minha homenagem à entrada das nossas instalações.

São nove anos de trabalho na mesma empresa. Como isto me sabe bem, como isto é ouro, como isto passa tão rápido, como isto é tão importante!

07
Nov15

"Feitas as contas, assim é difícil encontrar Portugal."

Maria

 

"Um nojo que cresce, e a vida como se nada fosse. Uma bola no estômago em forma de raiva, e vergonha, e tudo. Ricardo Salgado vê a sua caução ser reduzida para metade pelo Tribunal Central de Instrução Criminal. Dos antes 3 milhões, terá que pagar apenas um milhão e meio para limpar a sua vida que não tem por onde ficar mais suja. Na mesma semana, como nos filmes maus, fica a saber que a sua reforma vai triplicar para um valor de 90.000€. Isto num país que tem de encontrar moedas entre as almofadas do sofá para pagar o dia de amanhã. E a vida segue, e o sol nasce, e nada acontece. A impunidade a qualquer preço num país que não merece ser pontapeado desta maneira. A merda que passa e acena a quem fica. O nojo que cresce. Merda por todo o lado, e mais merda. Merecíamos melhor. Merecíamos que a corrupção fosse punida por quem tem a responsabilidade jurídica e moral para o fazer. O país a ser defendido por nada. O que nos protege é um antibiótico que mata. Espalha a doença e segue, ninguém viu. Vítimas do BES com vidas destruídas por alguém que agora sai premiado. Mereciam melhor. É um país ao contrário, que já perdeu os sapatos, calça meias de cores diferentes e nada acontece. Amanhã tudo segue como ontem. Nada acontece a quem compra a liberdade nas traseiras de tudo. Assim é difícil acordar todos os dias. Assim é difícil não querer chamas e fogo e gritos. Feitas as contas, assim é difícil encontrar Portugal."

 

Bruno Nogueira no seu Facebook

Aplaudo de pé estas palavras. Vergonha deste meu pais tão bonito para fora, para olhos de outros com tanta podridão cá dentro. Por maus governos, más pessoas e grandes vigaristas. Por demasiada corrupção ao colinho. Por o grande ser sempre ajudado e o pequeno sempre espezinhado. País em que os inocentes vão parar à cadeia porque alguém se lembrou de lhes apontar o dedo e onde os maiores filhos da fruta estão em casa a desfrutar do que o dinheiro que roubaram lhes proporciona. Vergonha. Vergonha por saírem sempre impunes os mesmos. Porque alguém lhes dá essa hipótese. Mesmo jurando de braço levantado pela nossa Republica que farão sempre justiça. Afinal, o que é a justiça?

06
Out15

Constatação *123* (ainda do 5 de Outubro)

Maria

Ontem 5 de Outubro, comemora-se em Portugal a Implantação da República.

Cavaco Silva, Presidente da República, não compareceu às comemorações no dia de ontem, ex-feriado, apenas porque sim. Devia ter mais que fazer. Apraz-me dizer que é como sermos convidados para ir à festa da caipirinha e só terem água das pedras.

05
Out15

Legislativas 2015

Maria

Bem vistas as coisas Portugal está muito bem. Não sei porque os portugueses tanto se queixam. A vida por cá anda bela e maravilhosa. Meus queridos amigos e familiares emigrantes, voltem para o vosso país. Deixem-se de merd@s e de quererem estar longe dos vossos. Portugal está bem. Aqui vive-se bem e a vida principalmente a nível de trabalho está óptima, tão só por isso, continua-se com os mesmos.

Não quero com isto dizer que plenamente outro seria a solução, quero com isto dizer que ao estar mal o diferente é uma hipótese de poder ser melhor.

Provavelmente nestes próximos quatro anos muitos dos que vão ler este post terão que emigrar, incluindo esta que vos escreve.

Obrigadinha.

P.S.: Lembrar que hoje podia ser feriado não ajuda!

 

04
Out15

Do ir votar.

Maria

Eu fui exercer o meu dever. Principalmente nós mulheres, que demoramos a ter esse poder, não devemos deixar nunca de o fazer! Devemos SEMPRE ir votar. Dar o poder que temos à nossa opinião. A abstenção não governa um país, mas diz muito sobre ele. E entristece-me um pais que tanto tem a lamentar não dê o passo que lhe é oportuno quando é concedido. E entristece-me também a maioria dos jovens deixarem-se levar pelo "não me apetece"; "não faz diferença"; "está chuva ou sol"; "tenho que ir passear"; "vou almoçar à sogra"; "vou ver o jogo"; "não tenho tempo".

Amanhã não se queixem pelo país estar como está. As oportunidades depois de desperdiçadas são como a palavra depois de pronunciada, não se volta atrás.

Sobre mim

foto do autor

Espreitem Como eu Blog

Expressões à moda das “tripas” do Porto!

Sigam-me

<>

<>

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sorriso desde 11/02/09

<>

<>

Twita-me

<>

<>

Pesquisar

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D