Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SorrisoIncógnito

Todo o sorriso é apaixonante devido ao incógnito que o ofusca! SORRIR_um estado de espírito...

17
Set20

Este país não é para velhos - o tanas!

Maria

[imagem retirada da internet]

Eu tenho uma ligação muito grande com a minha família. Sou muito família. Os meus são[-me] tudo e não é cliché.

Cheguei a não perceber porque as famílias não se dão. Porque não se falam. Porque embirram. Porque não convivem. Não é que agora não perceba. Mas o sangue não é tudo, assim como o amor. Tive que entender que podemos ter o mesmo sangue a correr nas veias mas somos pessoas diferentes, pensamos diferente, queremos diferente e deixamos muitas vezes as divergências quebrarem a ligação... outras vezes são após terceiros aparecerem que as ligações se fragilizam.

Mas no meio disto tudo, não sei se pelos valores que me passaram, se pelos ensinamentos que tive, se por infelizmente só ter conhecido uma avó e sentir que me faltou conhecer os outros... no meio disto tudo eu prezo muito a família. Os momentos em família. As conversas, as partilhas, as experiências que nunca vamos ter na vida. Os conhecimentos, as lendas, o antigamente...

Quando olho para o lado, talvez para outros com a minha idade, ou mais novos, não vejo isso. Não levam a família assim "tão a sério" e as ligações perdem-se... principalmente com os mais velhos.

Não sei se o facto de estar solteira influenciou, mas acho mesmo que não, sempre fui família e prezei muito as ligações familiares, mesmo quando estou acompanhada.

Gosto imenso de quando se juntam e não me importa de ouvir contar certas histórias repetidamente. A velhice traz isso, do esquecer o que já se disse, do querer partilhar o que marcou, do querer lembrar o que já lá vai há muito. Nós lá chegaremos. E sinceramente acho que seremos pessoas mais solitárias que os velhos do nosso país neste momento, porque infelizmente cada vez mais eles são descartáveis porque o ser humano está mais egoísta e só pensa naquele que se move à volta do seu umbigo... um dia vai sentir-se na pele o que é ser-se velho e os olhares de "empata" que certas pessoas mandam.

Um dia destes, em família, ouvia uma história de há mais de uns cinquenta anos, de uma história de amor que não acabou, mas que passou para outro plano visto que infelizmente uma das pessoas já faleceu e perdi-me enquanto a ouvia...

Hoje ama-se menos, com menos respeito, com mais inseguranças e com menos valores. Com muitas expectativas em pouco empenho. Numa experiência que é viver muito o hoje, em que não se investe, não se trabalha no outro, em que o desistir é mais fácil.

Eu visito muito os meus tios e não visito mais a minha família porque a vida é assim... mas enriquece-me o tempo com eles. Gosto imenso de os fazer sorrir. De ser a palhaça com eles como sou com a minha afilhada de três anos. De lhes dar a minha companhia, de os abraçar (e como agora sinto essa falta) de os ver em pleno quando reunidos.Gosto muito da família que me calhou. E quando eles me agradecem por aparecer, sou eu que fico agradecida por ainda os ter e por os ver numa luta que é geral aos nossos idosos - a incerteza do amanhã, a conquista de um lugar bonito na vida de outros, o carinho, agradecimento e compreensão.

Este país é deles, antes de ser nosso.

17
Dez19

Desafio de escrita dos pássaros #14

Maria

» Não nasci para isto «

desafio passaros.JPG

 

Manuela está outra vez a ter um surto psicótico. E é mesmo como o Doutor diz. Contado ninguém acredita, só mesmo quem passa por elas sabe o quanto isto é difícil de lidar.

A carta para entregar nas urgências de psiquiatria era explícita "está com uma crise de surtos psicóticos e tem que ser analisada pela especialidade".

Foram horas de espera numa ala com tantos outros doentes do mesmo e em que quem lá está se depara com uma realidade que, provavelmente se nunca passarem por ela, imaginam que possa existir. 

"Não pode ficar internada, vai ter que ir para casa e analisarem os próximos passos" - foi só o que o médico disse.

Manuela estava agora sossegada devido à medicação administrada. Sossegada demais até para os dias agitados que passou.

E agora, vai para casa de quem? Já não pode ficar mais sozinha. Tem que estar em permanente vigilância. Vai para onde? Questiona Joana que é quem tem menos condições para ficar com ela, mas é quem tem ficado nestes dias.

Aurora diz logo que não pode. Assim como Fernando também não quer.

Temos que nos ajudar uns aos outros - diz Joana - e neste momento ela precisa de todos.

Mas eu não posso, refere novamente Aurora.

No dia seguinte Joana volta a encontrar-se com todos para resolverem a situação.

Aurora é a primeira a manter a posição - Eu não posso!

Eu não nasci para isto - diz Joana... As pessoas estão lá quando não precisas, quando estás bem, quando um Olá e Adeus chega. Mas quando é preciso mais que isso, quando é preciso que se ajude. Quando já não têm idade e capacidade para estar só, quem está lá? Os velhos não vão de férias. Os velhos não são descartáveis. A família não é família só quando estão bem! Eu não nasci mesmo para isto. Eu não sou isto. Eu não sou como vocês. Isto não está certo.

Mas eu não posso - repete Aurora.

Podemos sempre metê-la num lar - atira Fernando!

Joana, cabisbaixa, não se identifica com aquilo e diz: é de lamentar que se ela morresse agora todos lhe vinham chorar a morte, mas neste momento ninguém lhe quer ajudar a melhorar a vida.

Eu não posso, volta a referir Aurora.

Manuela assiste à discussão sem uma única palavra. Sem deixar perceber se está a entender o que se passa se não. Terá Manuela nascido para isto?!

 

 Vejam outros textos meus para este desafio aqui.

01
Dez15

"É tempo de voltar a casa!"

Maria

Dezembro - o espírito que realmente importa.

O anúncio é de uma rede de supermercados da Alemanha - Edeka. E a mensagem que passam é brutal.

Um idoso chega a casa das compras e ouve as mensagens que tem no telefone dos filhos a dizer que não podem ir passar o Natal com ele. Prometem que o fazem no próximo ano. Mas parece que passam três anos e ele continua sempre sozinho à mesa na noite de Natal.

Depois vê-se os filhos a receberem cartas e mensagens a dizer que o pai morreu.

Regressam então a casa para o velório do pai, de luto, mas quando entram em casa encontram a mesa posta e o pai na cozinha.

“De que outra forma conseguiria que estivéssemos todos juntos?”, pergunta.

Um anúncio de supermercado mas com a verdadeira mensagem de natal. O que realmente importa. O espírito. O Amor. “É tempo de voltar a casa”!

 

 (para quem não percebe alemão, aconselho a activar as legendas em inglês)

 

Confesso, ontem quando vi o vídeo pela primeira vez emocionei-me. E cada vez que o vejo volto a emocionar-me. A mensagem é muito forte. E diz-me muito. Às vezes há mil e uma razões para estas coisas acontecerem, porque a vida assim o permite, mas depois há uma razão maior que todas que  faz não ter desculpas. E isso é tão triste. E dá-me muito medo. Isto sim. Porque sou muito deles. Dos meus. Dos que estão perto e dos que não estão. Mesmo que por mil e duas razões muitas vezes as coisas não sejam como nós queremos. Ou desculpas, sei lá. A vida é isto. E isto é uma lição, concordam?

 

________________________________________________________________________________________________

AVISO

Não se esqueçam dentro de dias o endereço do blog vai mudar para: sorrisoincognito.blogs.sapo.pt

Sobre mim

foto do autor

Espreitem Como eu Blog

Expressões à moda das “tripas” do Porto!

Sigam-me

<>

<>

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Twita-me

<>

<>

Pesquisar

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
BrandBacker Member

subscrever feeds