Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SorrisoIncógnito

Todo o sorriso é apaixonante devido ao incógnito que o ofusca! SORRIR_um estado de espírito...

16
Out17

Portugal a arder.

Maria

Incêndios

 

Ontem a vista de minha casa, às três da tarde era esta. O vento forte traz. A minha casa cheirava a fumo. E isto estava longe de ser um dos lugares que por exemplo vi em directo na TV, como por exemplo Tondela. Dá medo. O vento. O fumo. O pânico nas pessoas. A falta de comunicação. Tudo a fugir. Os mesmos desabafos. As estradas sem visibilidade. Os acidentes. E depois a constatação de mortos. Estamos em Outubro. É certo com um tempo fora de normal para a altura, mas como é possível um país a arder desta maneira? Responsabilidades? Meios? Mão severa nesses (des)humanos que matam aquilo que nos dá vida. Uma tristeza. Uma impotência perante estes cenários devastadores. A subida do número de vítimas... E o que a noite encobriu que nos permitiu deduzir que o amanhecer seria negro...

Hoje chego ao trabalho e às nove da manhã da janela, era isto:

 

Nove da manhã a caminho do trabalho e mais pareciam oito da noite. O fumo. O cheiro. Uma calmaria estranha. À entrada das instalações do trabalho algo não estava bem. No parque de estacionamento um "lixo" estranho. Assim que abri a porta do escritório percebi. O chão da parte de dentro cheio de vestígios de fogo. E um cheiro forte e cada vez mais intenso à medida que subi as escadas a fumo. Já no andar de cima e por ser tudo em vidro para a frente das instalações me apercebi realmente do que aconteceu. Ardeu tudo à volta. Aliás ainda fumega... e então que me contaram. Os primeiros bombeiros chegaram às 3 da manhã. E acho que o cenário esteve mesmo mau. Graças a Deus não afectou nada aqui dentro.
Continuo sem ver o outro lado da montanha. Do Rio. Está escuro. As luzes têm que estar ligadas. Continua o fumo. Parece que vem de todo o lado. Triste início de semana.

Sem NADA fazerem os que de direito. Como baratas tontas perante um cenário que nos surpreendesse a primeira vez. Mas não é. E continuam sem planos, sem apurar responsabilidades e é o Deus nosso Senhor nos acuda.

Só apetece dizer, balelas, tretas, ide gozar com o caralhinho que isto é inconcebível. Mais do mesmo.

O balanço é, como seria de prever depois da noite de ontem, catastrófico, com um número de vítimas confirmadas até ao momento (14h) de 31 mortos.

Nilton, numa publicação disse, das frases mais acertadas que li:

"Estamos num estranho limbo onde as calamidades continuam a acontecer e não há nem culpados nem soluções. Pior, as instituições que nos deviam defender, como o Governo, a Proteção Civil, parecem baratas tontas que nunca viram um fogo e foram apanhadas desprevenidas pela primeira vez. Portugal é o gajo que se senta a ver o Titanic vezes sem conta e fica sempre admirado porque o barco foi ao fundo."


Imagino nas situações mais trágicas... muita força a todos os habitantes das terras mais fustigadas e aos bombeiros! Aos bombeiros um bem haja, pela coragem, pela força.

Bombeiros

[Imagem - internet]

 

 

11
Ago16

Acreditar no humanamente impossível

Maria

10.08.jpg

Humanamente é impossível acreditar que haja um juiz que deixe em liberdade alguém que foi detido por fogo posto. Não consigo perceber as leis tantas e tantas vezes. Não consigo perceber que haja uma lei para isto e para aquilo e que depois alguém que por vontade própria pega fogo a um local não seja detido e fique preso. Será que é preciso haver a morte de uma pessoa para isso acontecer?

Mas quem o faz mata muita coisa, mesmo quando fisicamente alguém não morre. Mata sonhos. Sonhos de quem construiu o que é seu e em minutos fica sem nada. Mata animais que tantas vezes andam nos montes. Mata de sofrimento quem vê o fogo chegar perto das suas casas. Destrói vidas quando se lhes tira tudo, mesmo que seja só queimando aquele pedaço de terra que têm. Mata de dor quem é afectado. Põe vidas em risco. Suga as forças a bombeiros, e a quem prontamente se esforça para ajudar. Humanamente é-me impossível acreditar, que alguém que sinta "prazer" em ver arder o que dos outros é, tenha a sorte de o deixarem cá para lhe tornarem a dar a hipótese de voltar ao mesmo. Um incendiário será sempre um incendiário. Um criminoso. Alguém sem alma num corpo desprovido de valores. De sentido. De vida. Há-de ser alguém muito triste na vida.

Depois tem a seu favor as condições. O calor e o vento.

Quem por aqui me lê algum tempo, sabe que eu moro na terra do vento. Que dá lugar a mil e duas peripécias. Mas ultimamente dá medo. Durante a noite parece querer levar tudo. E leva. Leva o fogo como aliado e o medo das pessoas como faísca. Tudo arde. Passamos dias sem ver o sol devido ao fumo denso no ar. Tudo à volta está em chamas, ou já está negro do que se passou. Em minutos, passa estradas, campos, casas, freguesias. Em minutos muda direcções e chega a criar o perigo de se ficar encurralado. Estes últimos dias, as pessoas vivem com o coração nas mãos. A dar tudo pelo tudo que têm. Incluindo a vida. Enquanto há alguém que com essas mãos sujas dá para tirar o que do outros é. Como pode um ser vivo destes ter a possibilidade de poder estar em liberdade para ver o rasto de destruição que deixou?

A todos aqueles que têm vivido momentos de aflição. A todos aqueles que prontamente têm ajudado. A todos os bombeiros, soldados da paz que muitas vezes são tão criticados e que eu sinceramente acredito que dêem tudo por tudo enquanto que as forças lhe vão restando. A todos aqueles que, tal como aconteceu a família minha, tenham abandonado as suas casas e fugido para que a sua vida não fosse consumida pela estupidez de um ser. A todos aqueles que perderam o que quer que seja ou mesmo alguém. Muita força. Coragem.

Humanamente é impossível acreditar que a um delinquente desses lhes nasça um pinheiro atravessado no sítio que todos nós sabemos, ou que arda no inferno. Mas há coisas humanamente impossíveis que acontecem e tão só por isso tenho fé.

É humanamente impossível uma pessoa não se revoltar perante os cenários a que temos assistido.

10
Ago16

De coração pequenino.

Maria

 WP_001591.jpg

Mil vezes estar lá que cá.

Quem me conhece sabe que a Madeira tem um lugar mais que especial no meu coração.

Aprendi a amar aquele pedaço de terra à beira mar plantado a partir do momento que quem eu amo lá está.

Infelizmente já partilhei com a Madeira muito "coração nas mãos" e ainda hoje me lembro perfeitamente da aflição da manhã do 20 de Fevereiro. Ontem a dor, a aflição, a ansiedade mais uma vez voltou a sentir-se.

Mil vezes estar lá que cá.

Quando o que amas está em perigo a única coisa que te passa pela cabeça é o estar perto. Um oceano a separar notícias, faltas de comunicação, imagens que te chegam que te apertam o coração e notícias que nunca queres ouvir...

Mil vezes estar lá que cá.

O estar longe é sentires-te completamente inútil. Por muito que quisesses fazer.

Esta noite senti-me assim. Cada imagem que recebia era uma facada no coração. Cada mensagem que recebia dos meus era um aperto.

Rezamos para que as coisas acalmem. Há esperança. Seja o que Deus quiser.

Muita força a todos os Madeirenses, a todos os que tiveram que abandonar a casa tal como os meus, a todos os que estão em situações mais complicadas e às famílias das vítimas. Aos bombeiros, cruz vermelha e profissionais de saúde. Muita força!

08
Ago16

Os bombeiros são os nossos heróis.

Maria

Já passavam das duas da manhã e o ar estava cada vez mais insuportável. Depois de ter estado deitada na varanda com a tijoleira quente e um ar abafado,  entrei em casa, mas nem assim estava fácil. Tudo à volta ardia. As cores que pintavam o céu no início da noite estavam cada vez mais escuras e feias. As sirenes dos bombeiros em silêncio percorriam as montanhas apenas com as luzes a fazerem-se notar até perto dos clarões do fogo. Tão triste. Tão triste aquele silêncio perturbado pelo forte vento e pelas chamas ganharem cada vez mais força originando todo aquele fumo negro. E aqueles homens e mulheres voluntários na sua maioria, com um dia de imenso calor às costas e toda uma luta desenfreada com a pouca humanidade de terceiros. Nós sabemos, trata-se de fogo posto que tem a seu favor os ventos fortes e as altas temperaturas e que fugazmente lavra terrenos, chegando a ameaçar pessoas, animais, casas e outros bens.

É tão triste este acordar com o céu azul ofuscado pelos fumos dos incêndios que não conseguiram circunscrever durante a noite. É tão triste pensar naqueles bombeiros que lutam a cada minuto muitas vezes com a sua vida em risco contra o fogo. Com pouco descanso, com falta de alimentação e com o corpo a desidratar.

Um bem haja a todos os bombeiros. A todos aqueles que deixam a sua zona de conforto, as suas casas, as suas famílias para ajudarem os outros. Sem críticas. Porque acredito sempre que façam o melhor que podem fazer com o cansaço às costas perante tantas adversidades.

Àqueles que têm dedo e mão nestas situações, esperamos que a justiça seja mais severa com estes criminosos e delinquentes. E que lhes nasça um pinheiro atravessado no sítio que todos nós sabemos.

Um bem haja a todos os bombeiros pela força e coragem.

19
Jul12

De coração nas mãos!

Maria

Já muitas vezes aqui mencionei que das pessoas que mais amo vivem na Madeira, Funchal, e isso é ter constantemente o coração nas mãos, mas em dias de tragédias torna-se inexplicável. Depois do mano ligar-me quando começou o fogo e em que nada fazia prever o que aí vinha, as imagens que me mandou foram fortemente esclarecedoras. Um rápido cavalgar de um "monstro" que nada se põe à frente e que não escolhe o que reduz a cinzas... Uma tristeza :((

Um beijinho para todos os Madeirenses e um bem-haja para os bombeiros que perante cenários dantescos como este tentam salvar o próximo!

Sobre mim

foto do autor

Espreitem Como eu Blog

Expressões à moda das “tripas” do Porto!

Sigam-me

<>

<>

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Twita-me

<>

<>

Pesquisar

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub