Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SorrisoIncógnito

Todo o sorriso é apaixonante devido ao incógnito que o ofusca! SORRIR_um estado de espírito...

04
Jun21

Desafio de escrita dos pássaros 3.0 #3

Tema 3: - Não aguento mais contigo! - afirmou, enquanto o atirava para longe.

Maria

 

Domingo de manhã bem cedo, ainda meia a dormir mas há hora combinada lá estávamos.  Prontinhas para mais um treino eu e a Mariana. Uma corrida de dez quilómetros. Pela fresca, se bem que mesmo cedo a temperatura de verão já se fazia sentir. Ambas de calções e mangas cavas, pala na cabeça, bolsa na cintura, sapatilhas e smart watch em modo on.

Na verdade andamos nisto há cerca de meio ano. Sem falhas nos dias a que nos comprometemos.  Sempre juntas para uma dar apoio à outra. Semana após semana a analisar treinos mas os resultados não têm sido os pretendidos, confesso. Falo por mim uma pessoa parece que quanto mais faz mais a balança nos vira as costas!

Naquele dia, talvez por cansaço e também por termos madrugado a um domingo, fomos o treino a falar disso mesmo. Treinos e resultados. Logo um tanto ao quanto desanimadas.

A Mariana resmungava por perder menos calorias que as que devia. Eu incentivei que mais cedo ou mais tarde os resultados vão aparecer e também podemos aumentar os treinos. O tempo e as metas.

- E comer? - disse-me em tom de desilusão - o mínimo possível Maria, parece que engordo só de respirar! 

Deixa-te de coisas Mariana, é impressão tua, tens menos volume e isso vai acabar por refletir no peso. Pelo menos assim espero.

E assim que fizemos os dez quilómetros demos o treino como terminado. E já estávamos ambas com melhor disposição, prontas para aproveitar bem o resto do domingo depois de um bom banho até  que vejo a Mariana a olhar para o relógio e a resmungar por causa das calorias gastas:

- não aguento mais contigo!  - afirmou,  enquanto o atirava para longe.

Tem lá calma contigo Mariana. É mesmo isso que queres? O smartwatch não tem culpa e vais lembrar-te disso no fim do gelado logo à tarde - disse enquanto soltava uma risada.

- tens razão - disse-me por entre os dentes enquanto ia apanhar o relógio - é só porque quero comer logo um gelado sem peso na consciência!

Uma mulher sofre!!

:)

[desafio da passarada]

21
Mai21

Desafio de escrita dos pássaros 3.0 #2

Tema 2: Afinal havia outro... Fogão.

Maria

 

A viagem tinha sido longa e com tantas paragens para fotografar e conhecer cada cantinho, acabamos por chegar já bem tarde ao lugar onde íamos passar o fim-de-semana.

Tínhamos acabado de acordar naquela natureza tão boa mas o tempo não estava o mesmo que no dia anterior. De todo. Estava meio farrusco e decidimos que íamos fazer um bolo. Bolo de chocolate - digo eu - para ser um bom pequeno-almoço, sem horários a cumprir e sem regras, excepto ser feliz.

Perdidos enquanto seguíamos a receita do bolo de chocolate, farinha para aqui e para acolá, açúcar na ponta do nariz - aqueles beijos que ainda se tornaram mais doces - digo eu - olha esquecemos de pré-aquecer o forno...

Vamos a ligar e nada. Nem sim nem sopas, o forno tinha morrido, nada de sinal dele. Nem o fogão estava a funcionar. O micro-ondas dava sinal, mas de resto mais nada.

- Fazemos um bolo de caneca no micro-ondas? Atirou ele enquanto ria da minha cara.

- Olha agora com a receita pronta não dá!

E entre gargalhadas, acabamos  por comer a massa do bolo que estava uma delícia. Quem não gosta de raspar uma massa de bolo? - pergunto eu enquanto ele me olhava com aquele olhar fofo, sentados no sofá em frente à varanda de vidro que nos deslumbrava com a vista desafogada tão verde e apaixonante na montanha. Estávamos ali a apreciar só o momento. Aquele silêncio como se nos tivéssemos perdido algures onde o gps não chega, mas com todas as certezas de que aquele era o lugar certo para estar.

Antes mesmo de as dores de barriga não serem só de tanto rir ele reparou: Temos ali um bilhete em cima da mesa, já viste?

Pegamos no bilhete e era da Joana, a nossa amiga e dona da casa da montanha, um bilhete de boas vindas, mas como chegamos bem tarde nem tínhamos reparado e em que dizia:

"Amigos, aproveitem a estadia e desculpem qualquer coisa que não esteja do vosso jeito. PS.: A cozinha ainda foi mudada à pouco e tive problemas com a placa e o forno. Caso  precisem na dispensa têm outro fogão... a gás.  Sejam felizes!"

Não acredito... um fogão a gás e que dá para usar a fornalha!! Cadê a massa do bolo?

:)

[desafio da passarada]

07
Mai21

Desafio de escrita dos pássaros 3.0

Tema 1: Foi o que ouvi...

Maria

desafio passaros.JPG

 

Na verdade, cada um tem a sua história e ninguém sabe o que lá vai dentro. Mas foi isso que aconteceu.

- Mas matou-se mesmo?

Sim. Matou-se. E temos todo um lugar em consternação. Primeiro ninguém supôs quem tivesse sido, depois a trágica notícia caiu que nem uma bomba para todos os que a conheciam.

- Ainda estamos parvos. Qual seria a razão para tal?

É fácil criar burburinhos depois de as coisas acontecerem. Principalmente sobre alguém que jamais se imaginasse que tivesse esse desfecho... aparentemente tudo estava bem. Boa família. Vida organizada. Mas aconteceu... Até à hora, diz-se, fez a sua vidinha normal, foi aos sítios onde tinha marcado ir, esteve com quem tinha combinado, mas depois parece que disse vou ali e já venho...

- Seria depressão?

Pois... aquela doença que tanta gente luta e que por quem passa ao lado não acredita, desvaloriza... há até quem diga que são manias. Lamentável! Mas na verdade pode ter sido. É claro que isto são suposições, e sabes como é o diz que disse... mas não querendo acrescentar mais um ponto pode muito bem ter sido isso. Parece que nunca tinha falado em tal, mas se calhar lá dentro já era algo que podia estar na cabeça dela. Ou então foi um acto irreflectido.

- Assim do nada?

Como assim do nada? Uma pessoa de fora nunca sabe se é assim do nada. Cada um tem a sua história e só a pessoa sabe o que lá vai dentro. Podemos supor o que quer que seja. Pode inventar-se mil e duas coisas. Pode até não se perceber de todo. Mas só a pessoa saberá o que a levou a tal passo. O que a fez achar que seria a melhor opção. Ou a única vá.

- Acabar com a própria vida nunca é a melhor opção!

Mas isso é o que pensamos quando estamos cientes disto que é especial - viver. E quando não estás? Vivemos tempos difíceis psicologicamente. E com certeza há muitas pessoas que precisam de ajuda e que não chegam sequer a pedir. É importante trabalhar isso. É importante partilhar mais a mensagem que há tratamentos, ajuda psicológica e a sociedade tem que estar mais receptiva nisso. Em olhar mais o outro. Em não desvalorizar quem pode estar a sofrer muito com isso e a incentivar qualquer pessoa a ter a coragem de aceitar o que lhe está a acontecer e que há quem lhe possa dar a mão.

Mas vai na volta não foi disso. Não posso confirmar. Sabes como é.

 

[de volta aos desafios da passarada depois de ter entrado nos dois primeiros e bem, para voltar a entrar é porque a experiência só foi positiva]

20
Mar20

Desafio de escrita dos pássaros #2.8

Maria

» Foi tão bom, não foi «

desafio passaros.JPG

Na verdade isto de estar em quarentena depena-nos a alma, deixa-nos assim meio que inocentes e à nora, de repente o telefone tocou com sinal de mensagem. A minha professora de ginástica a dizer que ia fazer uma aula em directo para o grupo para quem quiser fazer. 

Primeiro pensamento: Boa, alguma coisa para fazer diferente nestes dias "tão o mesmo".

Segundo pensamento: Bem é uma aula de ginástica. Localizada. Uma horinha... hummm que animação (menos um bocadinho).

Terceiro pensamento: Se calhar dizia que não posso, não estou. Ah mas agora estamos em casa não dá essa desculpa. Se calhar finjo que não vi a mensagem! - ahh mas vi e ficou lá marcado que eu vi. Se calhar arranjo outra desculpa qualquer...

Quarto pensamento: Deixa-te de merdas e vai mexer masé esse rabo, que sempre a comer quando tal rebolas mesmo.

E assim foi. Há hora marcada lá estava eu a aderir ao grupo quase das primeiras com um entusiasmo meio forçado, parecia que um lado dizia "Boa, vais mexer esse corpo" - e por outro lado "não me apetece mexer o lombo!". Mas na verdade foi uma hora bem preenchida, quase nem deu para respirar e aquilo era tão rápido que até parecia que estávamos lá na sala a ter uma aula normal.

Já depois de alongarmos a professora chegou-se mais e disse "Foi tão bom, não foi?". Respondemos todas que sim, mas foi quando depois de um banho quente me deitei na cama e pensei cá para mim, olha ainda bem que fiz, soube-me pela vida!

Às vezes é isto, só damos valor depois de fazer. E na verdade se não chegarmos a fazer, não chegamos a saber o que perdemos.

Vejam os meus textos  aqui.

13
Mar20

Desafio de escrita dos pássaros #2.7

Maria

» Escreve o teu elogio fúnebre «

desafio passaros.JPG

Ela tem um feitiozinho bem dela. Muito próprio. Muito particular. Difícil de chegar lá mas depois... de uma facilidade de lidar. Habituavamos-nos mais depressa a ela do que ela se mudava. Mas fazia-se.

Toda ela é sorrisos. Sempre o foi, sempre será.

É a melhor amiga dos seus amigos. Mas é a primeira pessoa a desistir quando acha que ali não vale a pena continuar. Fez sempre tudo o que podia pelos seus. Sempre. E os pais podiam ter tido uma filha menos explosiva, menos coração na boca, menos resmungona, mas não poderiam ter uma filha mais amiga e cuidadora que ela. Levava-os sempre para todo o lado que pudesse.

Ela sempre fez por ser melhor. Mas sempre admitiu falhas. Sempre a sorrir. Na esperança de ver sempre o copo meio cheio. 

Batia o pé, rodava a baiana e ia muito por ela mesma. Nunca foi muito de ir em ondas. Tinha muito pela sua

Fazia rir tudo e todos, mesmo que, assim que estivesse sozinha os seus olhos mergulhassem em ciscos algumas vezes...

Nem sempre foi compreendida. Nem sempre se deixou ser.

Ama. É amada. E que se lembrem sempre daquele sorriso que foi lema de vida.

Ela é isto. É sim. Porque continuará a sê-lo. Sempre.

Vejam os meus textos  aqui.

06
Mar20

Desafio de escrita dos pássaros #2.6

Maria

» oh não, um vírus outra vez! «

desafio passaros.JPG

Segunda-feira e tudo é aquela base desde que abres os olhos ali, ainda deitada na cama, depois de uma noite de tempestade fora de portas e em que o teu repor de sono balhamádeus.

É o ter que ser e está a despachar porque acordas sempre tarde e a más horas para ir trabalhar. E isto de ter vontade às segundas não há karma que lhe pegue.

Tudo feito às três pancadas e ala que se faz tarde. Metes-te no carro e segues caminho. Calma lá que isto hoje tem que se optar por outro percurso para o trabalho porque as estradas estão bem perigosas devido à tempestade que passou durante a noite e vê-se demasiados destroços das árvores no chão.

Enquanto isso sentes os lábios secos e lembras que te esqueceste de pôr o batom de cieiro que usas todos os dias religiosamente. E achas algo estranho. O lábio está diferente e com a pressa lá em casa nem deste conta de nada. Abres o espelho do carro e.... "oh não, um vírus outra vez!" qual karma de segunda que não há nada que lhe pegue o tanas. Isto podia piorar? Herpes, god, herpes de um raio voltaste para me atazanar a vida e logo esta semana que tenho reunião com um alemão que vai na volta ainda me sai um pedaço de bom caminho e eu a ostentar o herpes labial quando anda tudo às voltas com o coranavírus.  

Na farmácia lá deram a pomada - que a mim nada fez - e vai na volta só piorou até chegares a casa e teres aloe vera que te safa sempre nas piores ocasiões. Bem deste já me estou a safar, só espero que o coronavírus, esse não se lembre deste cantinho um bocadinho abaixo do Pólo NOrte.

Vejam os meus textos  aqui.

28
Fev20

Desafio de escrita dos pássaros #2.5

Maria

» Acordas e tudo o que mais desejavas realizou-se: conta-nos o teu dia «

desafio passaros.JPG

Pelas cortinas mal corridas entram os primeiros raios de sol e eu começo a acordar com a luz. A emoção é tão grande que corro para a janela, abro-a e caminho pela varanda, ali estou eu, perdida naquele pedaço de terra no meio do mar plantado com aquela imensidão de azul à minha frente e com o coração a palpitar forte enquanto me mentalizo "aqui estou eu, como desejei isto"! E ali fiquei uns minutos a tentar perceber que tinha mesmo aterrado ali depois de tantas tentativas frustradas de ali voltar.

Ouço barulho lá dentro e vou ver o que se passa, o frenesim do pequeno-almoço a ficar pronto à espera que eu acordasse. E ali estava eu a vê-los e a poder abraçá-los como já há muito tempo não fazíamos. E tudo é tão bom que parece que nada falta para ser perfeito. Aquele abraço sentido de bom dia do pequeno que nada paga e que deita por terra todas as saudades acumuladas dos quilómetros de distância que nos separam.

O mano acaba de fazer o café melhor do mundo, o nosso, como sempre foi. E sentamos-nos todos à mesa a planear o que vamos fazer naquele primeiro dia que cheguei e que quero fazer um montão de coisas mas que o importante é estarmos ali de volta, todos juntos. Com as melhores gargalhadas e um coração cheio de amor.

- Vamos à praia - diz o pequeno - quero que me vejas nadar. E vamos comer um gelado! E quero que vejas a minha escola nova. Já foste comer um prego lá baixo ao Zé? Tens que os provar são uma delícia. E vais assistir ao meu treino da natação?

- Bora lá, estou pronta para tudo o que quiseres!

- Há quanto tempo não vens cá? - pergunta-me o pequeno.

Há demasiado tempo para uma vida só.

Vejam os meus textos  aqui.

21
Fev20

Desafio de escrita dos pássaros #2.4

Maria

» O google está errado «

desafio passaros.JPG

Perdidos, ali mais ou menos onde judas também perdeu as botas, estava eu e o meu pai no carro.

- Não estou a perceber, segui as indicações que me deu e agora estamos perdidos, só pode. Estás a ver por que quelhos nos mandaram?

- Fias-te nessas electrónicas e isso não nos leva a lado nenhum!

- Nada disso, devem ser das obras, ou o raio que os parta mas já me estou a passar, quando tal estamos no meio de um campo de milho  a milhas de distância do destino que quero!

- Continuas a olhar para aí a achar que sabes? Não é melhor perguntar a alguém?

- Não se vê ninguém, que é o pior. Mas isto não se engana, se diz que é por aqui, deve ser. Ou não. Porque já não posso com o "faça inversão de marcha" e vamos ter ao mesmo sítio.

- Isso das tecnologias também se engana. E esse coiso deve estar pirado.

- É google. Chama-se google.

- Então é dar nomes às coisas, o google está errado

- Olha estou a ficar sem bateria, sempre a mesma coisa, e também o sinal de gps não é o melhor, deve ser por isso que não estamos em sintonia.

- Pessoas. Procura pessoas que já não posso ouvir falar desse google.

- Olha aparece aqui outra estrada, mas onde raio é esta estrada?

mas esta rua não aparece em lado nenhum! E estes sinais? Nunca vi. E não tem grandes alternativas.

Vai a passar uma senhora ele abre o vidro e pergunta - olhe desculpa pode dar-nos uma ajuda?

Penso eu, pois... já é velho o ditado, quem tem boca vai a Roma...

Vejam os meus textos  aqui.

14
Fev20

Desafio de escrita dos pássaros #2.3

Maria

» Manual para iniciar relacionamentos «

desafio passaros.JPG

Em dia de S. Valentim, o amor vai estar no ar

Há muitos Amo-te e Gosto de Ti

Há muita gente a se declarar

E outros tantos a pensar - o que foi isto que eu senti?

Não rumam todos para o mesmo lado, não estão sempre em sintonia

Uns dias  se for preciso até cantam o fado, com aquele ar de poesia.

Noutros dias poderá  ser tudo muito desfocado, longe de ser uma alegria.

Estes são dias de gastar mais uns trocos

E o tempo de dar um peluche já lá vai

hoje em dia são outros focos

até que um dia a ficha cai.

Não é fácil para quem está solteiro nesse dia só de lamechice

Em qualquer lado são só corações, no restaurante não há lugar

tudo para acabar na traquinice

mas tens que pagar o jantar a dobrar.

Seja por opção ou porque calhou

a todos os que não têm par

vejam bem o que sobrou 

e tentem um Manual para iniciar relacionamentos arranjar.

Não sei se será de fácil leitura,

mas diz que para bom entendedor meia palavra basta,

o que é certo é que têm que estar ambos com a mesma abertura

senão vão andar ali só no arrasta.

Não brinquem com o sentimento

A vida dá voltas e o mundo gira

um dia brincas no outro és brinquedo

vai na volta a gente pira!

Vejam os meus textos  aqui.

07
Fev20

Desafio de escrita dos pássaros #2.2

Maria

» É que isso de médicos, nunca fiando «

desafio passaros.JPG

Numa conversa entre amigos o tema passa pelas viroses típicas da época, pelas constipações e gripes desta vida. E fala-se inevitavelmente no lado dos médicos, dos farmacêuticos e das pessoas - os pacientes/doentes. De como todos lidamos de forma diferente com tudo e com todos, com aquilo que nos dizem e com aquilo que, por vezes queremos ouvir.

A Laura está doente, primeiro passou na farmácia mas não foi lá com uns ben-u-ron nem com xaropes. A coisa agravou-se e foi a dois hospitais no prazo de uma semana. 

- E está melhor?

Nem por isso, passou a noite no hospital e tem uns exames para fazer. Mas entretanto tinha ido a um médico particular.

- A sério? Tanto médico. Mas porque procurou ela outro médico?

Ela diz que o primeiro disse que foi gripe e que o segundo disse a mesma coisa, mas ela continuou sempre a pensar que poderia ser alguma coisa no coração e na verdade, aquelas aflições do coração não passavam e podia ser. É que isso de médicos, nunca fiando. Mas no particular disse a mesma coisa, era gripe, mas já estava ali com qualquer coisa num pulmão.

- E do coração é alguma coisa?

Não. Com o coração estava tudo bem, todos disseram o mesmo com os exames que ela fez. Aquilo eram ataques de ansiedade só.

- Então não fez nada ter ido a tanto médico diferente!

Não. Mas saiu-lhe um peso da consciência, podia ser do coração.

- Mas não foram duas opiniões ainda precisou de mais! - estupefacta.

Sabes como é, há pessoas que acham que sabem o que têm e quando vão ao médico e eles não confirmam aquilo que elas acham, elas pensam que quem está enganado são os médicos...

- Estou a ver ... então se o primeiro médico lhe tivesse dito que era algo do coração não procurava mais opiniões.

Provavelmente não.

 - Mesmo que afinal fosse um problema grave num pulmão.

Pois.

...

Vejam os meus textos  aqui.

Sobre mim

foto do autor

Espreitem Como eu Blog

Expressões à moda das “tripas” do Porto!

Sigam-me

<>

<>

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Twita-me

<>

<>

Pesquisar

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub