Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SorrisoIncógnito

Todo o sorriso é apaixonante devido ao incógnito que o ofusca! SORRIR_um estado de espírito...

18
Out19

Desafio de escrita dos pássaros #6

Maria

» Escreve uma história romântica baseada no clássico "O Amor, uma cabana… e um frigorífico" «

desafio passaros.JPG

 

Em pleno Outono. De dias bonitos. Amenos. Com uma brisa leve a fazer as folhas correr... estás ali.

Abalroa-te a luz daquela pessoa na tua direcção. Vês nitidamente o espaço que te envolve e até sentes o cheiro daquelas flores sobre a mesa ao fundo. Sentes-te balançar e sorris timidamente para o sorriso que se aproxima. Tentas parar mas não chegas com o pé ao chão devido ao corpo meio deitado sobre aquele baloiço branco mesmo em frente à cabana. E ele abeira-se e dá-te o beijo furacão que te quebra o iceberg. Aquele beijo que estás sempre à espera. E de olhos fechados sentes o rosto colado ao teu e aquele corpo que delicadamente se estende sobre ti. E sentes os teus lábios dizerem o que o teu coração aos pulos tenta expressar. Ouves o barulho das folhas que se agitam ao sabor do vento e focas o verde da natureza que te envolve. Que vos envolve. Os raios de sol são poucos mas o calor sente-se, talvez não só do tempo. Envolves-te naquele tecido capaz de suportar dois corpos que se desejam e o baloiçar já não te incomoda. Fixas aquele olhar como tantas vezes o fizeste e deixas que as coisas aconteçam. Entregas-te ao amor e sentes em cada entranha da tua pele o oxigénio que o teu coração almeja. Apanhas o cabelo e acomodas o seu rosto em teu peito. E ficam ali naquele baloiçar...

De repente o oscilar é mais forte. Tentas chegar com o pé ao chão. Precipitas-te e abres os olhos. Trazes uma respiração ofegante, um suor assustador e notas que os sonhos são do tamanho do teu desejo. Voltas a encostar-te sobre a almofada quente, aconchegas-te e fechas os olhos... mas não volta.

O sonho foi-se no momento em que a queda para a realidade foi mais forte.

Levantas-te e vais ao frigorífico, é fome.

Isto já passa. E a fome também.

Vejam outros textos meus para este desafio aqui.

11
Out19

Desafio de escrita dos pássaros #5

Maria

» Estás na fila para o purgatório e Hitler está à tua frente. Ninguém o quer aceitar e a fila não anda. Escreve a tua intervenção para convencer um dos lados a aceitá-lo «

desafio passaros.JPG

 

- Isto está a demorar mais do que o que é suposto, se é que há um tempo mais ou menos suposto para estarmos a ser avaliados para a condição final. Mas na verdade tempo aqui não há. Mesmo assim, não se percebe o porquê desta demora. Com certeza Hitler deseja ir para o céu. E acho que se deve aceitar. Nos céus haverá boa vida, boas energias, tudo muito zen, paz e descanso para todos. Dizem que todos merecem o perdão. Ele vai redimir-se e vai lutar para ser melhor.

(Hitler ouvia enquanto revirava os olhos enfadado)

- Mas nós aqui no céu não o queremos!

- Mas podiam querer - insisti!

- Não. Vai para o inferno. O lugar dele é lá. Vai ser castigado por todo o mal que fez. Por toda a dor e sofrimento que enquanto viveu, causou aos outros.

- A fila não está a andar e vocês não estão a facilitar. Ele não tem tudo mau. E se o inferno não o quer aceitar tentaremos purifica-lo de todos os males e pensem no positivo, ele tem boa mão para a cozinha - digo eu já a pensar no "piloto automático" a preparar qualquer coisita a esta larpada de fome.

- Tem? 

- Por acaso, modéstia à parte que é coisa que me assiste para dar e vender, tenho - respondeu Hitler com a sua voz arrogante, enquanto mexia no seu pomposo bigode - a minha especialidade era arroz de cabidela. Mas arranjo-me em qualquer coisita.

- Sim - Interrompo eu - Faz uns petiscos deliciosos e podia ser a nossa bimby no pedaço. Trabalhava em prol dos outros enquanto purificava a sua alma dos muitos pecados cometidos. E é benfiquista...!

- Pois bem, siga - diz alguém do inferno antes que alguém do céu falasse - És cá dos nossos e tu pertences aqui!

- Estava a ver que não. Estes gajos sempre a empatar...   

Vejam outros textos meus para este desafio aqui.

04
Out19

Desafio de escrita dos pássaros #4

Maria

» A Beatriz disse que não. E agora? «

desafio passaros.JPG

 

Eram cinco amigas. Andavam sempre juntas. Falavam sobre tudo e mais alguma coisa. Riam muito. Partilhavam cusquices. Não faltavam a festas todas juntas e adoravam tudo o que envolvia comida, bebida, música, vá e gajos!

Sabiam sempre tudo umas das outras. Confiavam. Nunca haviam segredos. Até ao dia.

Beatriz desconfiou que Sara escondia algo. Andava mais afastada. Começou a faltar aos encontros marcados entre todas. Recebia muitas mensagens e sempre desviava assunto quando a Mariana, a mais directa do grupo, perguntava quem era o gajo.

Aos olhos de Beatriz não tinha lógica. Eram amigas. Confidentes. Porque haveria ela agora de esconder algo que fosse ligado a um date com um gajo novo? Não pode ser só isso - disse Beatriz enquanto conversava com as outras sobre o que desconfiavam.

Uma noite, café marcado e recebem um sms de Sara "estou mal disposta, não vou sair". 

Passou ao lado de todas menos de Beatriz. Que confirmou as suas suspeitas quando chegou a casa, estacionou o carro e ao sair viu passar  o carro da Sara. 

Aquilo passou. Mas não esqueceu. Não contou a ninguém. 

Marcaram uma jantarada antes de uma festa de aniversário de um amigo. Todas apareceram, mas no fim do jantar Sara disse que preferia ir embora, estava cansada. Nessa noite, Beatriz que tinha ficado com a pulga atrás da orelha sobre uma desculpa mal amanhada, resolveu sair mais cedo da festa e ir embora. A caminho de casa, passou pelo carro da Sara, estacionado na casa de um gajo que conheciam.

No dia seguinte encontraram-se numa esplanada e antes da Sara aparecer, Carla comentou com as restantes que lhe disseram que viram a Sara com Óscar. Um tipo comprometido. Beatriz conta que na noite anterior o carro da Sara estava estacionado em casa dele.

Os dias foram passando e Sara continuava a mentir sobre as suas saídas.

Andam desiludidas com a falta de confiança que pairava sobre o grupo. E sobre o envolvimento de Sara com alguém comprometido.

Inês, melhor amiga de Sara, propôs que não se metessem nesse assunto, "um dia vai acabar por nos contar" - disse.

Beatriz achou isso uma falta de confiança que não deve existir num grupo como o delas. E mais que isso os meses de mentiras. A deixar ela própria pendurada em muitas situações. Inês insistia em que não tocassem no assunto e deixassem andar. Beatriz disse que não. E agora?

Vejam outros textos meus para este desafio aqui.

27
Set19

Desafio de escrita dos pássaros #3

Maria

» Uma aventura/momento que te tenha marcado «

desafio passaros.JPG

 

Fazia vinte anos. Jantarada com amigos. Encontro num bar para beber um copo com outros. A noite já ia longa. A minha boleia ia embora. Mas eu, ainda na ideia "a noite é uma criança", vontade de ir, zero. Até que, apareceu ele. O meu ex namorado. Por entre conversa, o namorado da minha amiga diz-lhe que íamos embora apesar de eu preferir ficar. 

- Mas se queres ficar eu dou-te boleia. Vou estar ali com uns amigos. Se quiseres é na boa! Depois quando quiseres ir embora só dizer - disse-me o meu ex.

- Boa! Pode ser! - respondi com certo entusiasmo.

As coisas tinham acabado entre nós, mas nem tudo acabou... Andávamos na fase do larga, não larga, deslarga, agarra. Acho que era mais ou menos isso. Muitos anos de amizade e ele era das melhores pessoas que conheci na vida. Foi confuso.

Ali ficamos nós. Perdidos na noite com amigos. Comuns. De tantos anos.

Lembro-me, dancei muito. E no bar onde tinha amigos bebi uns copos. A mais.

Mas sentia-me a pessoa mais segura do mundo. Ele estava ali comigo. E apesar de já não ser meu namorado, continuava a ser dos melhores amigos. Daqueles que confiava até de olhos fechados.

Continuei na pista até sentir que já não dava mais. A festa fora grande. Estava ali a pisar o risco. Já tinha bebido além da conta.  Era hora de pensar em ir embora. De braço dado, saímos dali.

Antes de seguir caminho, paramos ali nas bombas e ele foi buscar-me uma água com gás. Saí cá fora para apanhar ar, beber um pouco de água e fumar um cigarro enquanto conversávamos. Eu continuava a rir muito e ele a segurar na minha mão. Juntava ali o tentar segurar-me para eu não cair ao querer dar-me literalmente a mão.

Por entre conversa da treta e daquele nervoso de não querer tocar no assunto "nós"... lembro-me de lhe ter pedido, à parva, "deixa-me fumar um charro". Ele (que mais que ninguém sabia que eu nunca o tinha feito) prontíssimo respondeu, "tudo bem mas pede-me quando estiveres sóbria!".

Não me lembro bem se naquele momento senti a maior vergonha do mundo, mas sei que, ali a partir daquele momento o amei ainda mais.

Dei-lhe um beijo sentido, abracei-o e sussurrou-me ao ouvido "vamos embora".

Vejam outros textos meus para este desafio aqui.

20
Set19

Desafio de escrita dos pássaros #2

Maria

» O amor e um estalo «

desafio passaros.JPG

 

Rita, de férias na Nazaré, cruzou-se com Clara que não via há uma década. Ambas surpreendidas, deram um caloroso abraço por aquele reencontro depois de perderem contacto durante tanto tempo.

- Pareces-me bem, que sorriso bom  e esses miúdos são teus filhos? - perguntou Rita admirada.

- Sim. São o meu tudo na vida.

- São teus filhos e do...

- Não! - respondeu imediatamente Clara sem deixar sequer que a Rita terminasse a pergunta. - Estou feliz. Sou feliz. Encontrei alguém que amo e me ama também. Consegui finalmente perceber o que é Amor.

Rita ficou imensamente feliz com aquelas palavras. Vezes sem conta perguntava-se como estaria Clara que desaparecera do mundo delas sem deixar rasto, depois de episódios que marcaram o fim da adolescência de ambas.

Há cerca de dez anos, num jantar de aniversário, estava o grupo de amigos em frente ao restaurante à espera uns dos outros. E chegou ela, Clara a miúda mais gira do grupo com Pedro, o namorado, também ele giro mas, o playboy da zona. Ela vinha como sempre, gira e produzida com um vestido preto justo evidenciando as suas curvas. Os elogios não se fizeram esperar...

Quando finalmente se preparavam para entrar no restaurante, Pedro deu a mão a Clara, disse que se esquecera de algo em casa para ela lhe fazer companhia até lá, mas que voltavam já. E foram.

Demoraram quase uma hora, até que Clara surge abraçada por Pedro, notoriamente abatida e com os olhos de quem esteve a chorar e para espanto de todos de calças e um top básico.

- Clara que te aconteceu, não me digas que foi o Pedro que te obrigou a vestir calças? - perguntou Rui, num tom de brincadeira, já com umas cervejas a mais e nitidamente no gozo.

- Não, claro que não - sorriu timidamente Clara, ainda agarrada a Pedro. - Era o que faltava! - rematou.

Quando finalmente se encontraram cá fora, Rita apressadamente a questionou se ele lhe tinha batido.

- Não Rita! Foi só uma discussão, mas nem tem nada a ver.

- Tu sabes que podes contar comigo para tudo e eu sei que não me estás a contar a verdade.

- Rita (...) foi só um estalo. E eu sei que foi no calor da discussão. Foi a primeira vez. Eu sei. Ele ama-me. E eu também.

- Será que também te amas, Clara? 

Vejam outros textos meus para este desafio aqui.

13
Set19

Desafio de escrita dos pássaros #1

Maria

» Problemas, só problemas! «

desafio passaros.JPG

 

O telefone tocou. Era uma mensagem: amanhã às 19 horas dar sangue. "Amanhã não posso" pensou.

No dia seguinte, na rádio, as notícias informam que no ano anterior a taxa de desistência dos dadores de medula quando são contactados aumentou. Ana absorveu aquela mensagem, também ela dadora de medula, e sentiu como que um aviso, uma chamada de consciência para os problemas que pode causar quando um dador, que são sempre os mais certos, não aparecem para fazer a sua dádiva.

O dia corria cheio de trabalho, atrasos nas reuniões. Cargas por fazer. Material por conferir. Mas aquela notícia não lhe saía do pensamento e achou que não ir à chamada para a doação, seria um problema na sua consciência a ter que resolver.

As horas passavam, a papelada amontoava mas ela já só pensava em sair a tempo. Era sexta-feira, o stress acumulado de uma semana em cheio estava a ganhar terreno, sendo quase dezanove horas e estando ela a cerca de vinte quilómetros do centro de recolha começou a sentir que ia falhar na sua missão.

Não desistiu! Passava pouco das 19 horas quando, atrapalhada, bateu à porta do centro na tentativa ainda de se sentir útil e fazer algo em prol de outros. "Sempre a tempo" ouviu e pensara que o maior problema do dia estava resolvido.

Ali, sentada à mesa após a doação a saborear o bolo de laranja e o sumo que lhe ofereceram para ganhar energias, o telefone toca. Do outro lado da chamada a mãe avisa que a tia se sentiu mal e fora para o hospital. O encontro seria lá.

Chegada ao hospital as notícias eram escassas e o tempo de espera foi caótico. Naquela sala de espera fria, vazia de tanto, num frenesim de entra e sai de pessoas.

Ali estava ela a sentir-se sozinha, sentada à espera, cansada do dia atarefado que teve e a pensar no quanto correu para fazer valer a pena, enquanto as dúvidas sobressaltam-na.

Há uma senhora que a questiona:

Estou aqui à espera que a minha filha me venha buscar. Estive a levar uma transfusão de sangue, estou com uma anemia. E você?

- Eu estou à espera de familiares, estão lá dentro em observação - respondeu a Ana.

E o seu braço?

- Ah, hoje fui doar sangue (...) há coisas do caraças. 

12
Set19

Diz que me meti numa alhada com Pássaros!

Maria

 

E num pré-desafio, escrevi por lá:

____

Olá Pássaros incógnitos, 

que já são muitos pelo que tenho espreitado.

Fui talvez a ultima pessoa a inscrever-se, porque tenho andado a leste com a volta ao trabalho depois das férias maravilhosas nas Maldivas e como diz o "outro" se se cruzaram comigo por aí foi pura ilusão de óptica vossa!

Mas adiante. Eu gosto de desafios e tenho feito os meus, mas de fotografia, nunca entrei num de escrita, apesar de gostar tanto de escrever.

Entro, por já seguir alguns Pássaros e pela parte desafiante que será, seguir regras, temas e 400 palavras!

Gosto de escrever, mas só mediante inspiração, logo vamos ver no que dá sentir que tenho um caminho a seguir, talvez por temas os quais nunca me inspirei.

Espero não desistir e estar à altura do giro desafio que estão a criar.

Sorrisos a todos!

______

Quem vai participar? Quem vai acompanhar-me? Dicas? Já estou a panicar :)

Acompanhem todos os posts deste desafio aqui

Sobre mim

foto do autor

Espreitem Como eu Blog

Expressões à moda das “tripas” do Porto!

Sigam-me

<>

INSTAGRAM

<>

<>

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sorriso desde 11/02/09

<>

<>

Twita-me

<>

<>

Pesquisar

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D