Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SorrisoIncógnito

Todo o sorriso é apaixonante devido ao incógnito que o ofusca! SORRIR_um estado de espírito...

26
Out18

E vocês, de que se queixam?

Maria

#HistóriaComFinalFeliz

[ clicar link para ver o vídeo ]

 

 

É mais uma entrevista daqueles murros no estômago (alguém viu a reportagem Tvi no passado domingo à noite?), mas que têm mesmo que ser vistos e partilhados. Mesmo. Mesmo.

O Nuno Santos diz que partilha a sua história para de qualquer forma nos ajudar, motivar e inspirar a fazer coisas.

E eu acho que somos todos um ovo podre se não formos abalroados pela sua história e tirar tudo de positivo que ela transmite.

O Nuno há cerca de dez anos teve um cancro muito agressivo e venceu-o, mas o facto de ter ficado com mazelas voltou a dar-lhe imensas dores de cabeça, ou no caso, de perna. 

Em 2014 parti a prótese da anca, tive de ser operado 3 vezes, infecções graves e uma enorme fraqueza quase me levaram desta para pior. 
Sendo o meu pior ano, 2014, decidi que era altura de começar a gravar as minhas aventuras, tanto na saúde como na minha vida activa e aventureira.
De momento estou perante a decisão de remover por completo a perna esquerda para ter melhor qualidade de vida, mais liberdade, mais VIDA.
Não está nada fácil, mas isto vai ao sitio.

Foi no início deste ano que o Nuno tomou uma das decisões mais difíceis da sua vida e enquanto ser humano.

Tem um humor que não é para todos, inspira qualquer um e dá-nos uma chapada de luva branca que nos deixa estupefactos com tanta coragem, positividade, vontade de viver.

Vejam o vídeo e acompanhem as partilhas da Nuno. Eu já tinha visto uma participação dele num vídeo da Helena Coelho e logo aí chamou a minha atenção pelo sorriso energia e boa onda que transmitiu.

Para quem quiser seguir o Nuno nas redes sociais sigam o facebook @nunossantossoficial ou o instagram @nunossantoss ou no Youtuber procurem mesmo por Nuno Santos. 

Não olhem para o Nuno com o ah e coisa e tal não tem uma perna... olhem como dass lá pro moço que tem uma força de viver brutal, uma coragem, um sentido de humor apurado, faz-nos rir, super activo e muitos de nós... ah e coisa e tal desculpas, só desculpas.

20
Abr18

Seis meses!

Maria

Consigo contar, em seis meses, os cigarros que fumei. Uns seis (sendo que o primeiro foi no jantar de natal da empresa e o último foi na derrota com o Sporting esta semana). É obra. Ou melhor, um orgulho. Sim eu sei, se nunca mais tivesse fumado é que era. Eu também acho que, se isso não tivesse contribuído para o meu aumento de peso (que acredito que sim) é que era. Adiante.

Sempre que ficava adoentada da garganta conseguia deixar de fumar. Aliás era automático e já aí ficava uns dias sem fumar. Conforme o que tinha acontecido, uns dias, umas semanas. E foi assim que também deixei de fumar desta vez. Tive uma crise em Outubro. Amigdalite. Má. Muita má. Uma semana de cama, repouso absoluto, falar o mínimo possível e não estar com gente. Seis penicilinas. E o normal - não queria nem ver o tabaco e o tempo foi passando e nem queria que me falassem em tabaco. E é por isso que estou há tanto tempo sem fumar. Com as tais excepções que fiz quando me apeteceu.

Não é fácil. Não é um mar de rosas. Fumar ou não. E nisto de dar a opinião, é a minha experiência. Mais nada. Mas o céu não ficou sempre azul depois de ter deixado de fumar. Pelo contrário. Cheguei a ouvir - "parece que desde que deixaste de fumar ficaste pior!". Totalmente verdade. Tá certo que também há os pontos positivos. Estou a tentar descobrir mais.

No Natal voltei a ficar adoentada e até à passagem de ano não consegui ter umas férias descansadas no meio do remédio e sem conseguir comer um doce que seja. Mas tudo voltou a piorar no início deste ano. Ou seja dois meses e pico depois de ter deixado de fumar tive a pior crise de sempre. Urgência para o hospital, cortisona para dilatar as veias, nebulizações, bomba e mais uns dias de cama a fazer contas a esta vida.

Desde que deixei de fumar foi tudo um mar de rosas? Não. Pelo contrário. Em seis meses tive a pior crise de sempre.  Continuei a ter crises de garganta. Estou quase a acabar um tratamento com penicilinas que sinceramente não me parece que esteja a ser um sucesso. Tenho mais seis quilos generosamente distribuídos apenas em sítios específicos, sempre aqueles que não se quer engordar. Não acho que esteja a respirar melhor. Não sinto mais o paladar das coisas. Não comecei a dormir melhor.

É isto.

Isto e seis meses sem fumar.

06
Jun17

"Inimputáveis", outro murro no estômago...

Maria

Interesso-me por tudo o que seja do foro psicológico. Gosto de ver reportagens, entrevistas, ouvir psicólogos, psiquiatras. É um tema tão abstracto, tão meticulosamente complicado que me cutica a curiosidade de tentar perceber o que à primeira não dá para perceber.

"Inimputáveis", uma reportagem da Ana Leal da Tvi, num dos lugares mais inacessíveis a nós comuns cidadãos, a clínica psiquiátrica do estabelecimento prisional de Santa Cruz do Bispo. Onde esteve cerca de um mês para fazer esta reportagem. Ali estão indivíduos inimputáveis considerados perigosos.

Vamos lá ser sinceros, normalmente olhamos para estes casos e não conseguimos ver a doença para além do crime. Lê-se muito por aí "dá-se como tolinho e depois não tem pena" (mas se calhar não é bem assim). Sim numa primeiro impressão, muitos são os que pensam assim. A sociedade ainda é muito fechada quanto a doenças do foro mental e psicológico e como que de um assunto tabu, não se fala muito. É quase preferível não querer perceber estas pessoas que tentar entender o que está por detrás daquela atitude que tinha tudo para ser um crime praticado por um criminoso, mas no final foi praticado por um doente. Doente, isso mesmo, um individuo que praticou realmente um crime, mas que foi fruto da doença que padece, numa fase de descompensação da doença.

Na verdade, são pessoas com histórias de vida peculiares que no entanto são apenas e só julgadas por nós comuns cidadãos, ditos "normais" que não sabemos lidar com estas situações, não estamos preparados para os receber, para olhar para eles acima de os referenciar como "perigosos", as pessoas não os querem de volta à sociedade, as famílias esqueceram-nos. Ninguém faz questão de os ter na vida. As pessoas têm medo.

Infelizmente com esta reportagem podemos ter a consciência que, para dificultar todo este processo de reintegrar, reabilitar um doente inimputável, está não só uma sociedade que não os aceita, como uma falta de meios para os "proteger" cá fora no depois. E há depois? Se calhar, se houvesse mais ajudas, mais acompanhamento no após sair, mais ligação entre o tribunal - porque nestes casos, são inimputáveis a padecer de uma medida de segurança* em regime de internamento prisional - a saúde e em muitos casos a segurança social. Talvez pela falha destes três organismos não se interligarem para soluções, os casos de sucesso sejam menos que os que possivelmente poderiam ser.

Ouvir coisas como "tenho medo de mim mesmo" é aquele murro no estômago de alguém ter a consciência dentro da sua própria insanidade do que padecem. Sabem que medicados estão bem, mas é apenas e só a medicação que controla o individuo porque continuam a ser pessoas que, caso não tomem a medicação podem reincidir e voltarem a cometer os erros que cometeram antes, matar, violar...

Alguns estão lá há mais de vinte anos e têm a consciência que podem não voltar a sair de lá, mas têm também a consciência que cá fora não têm nada à espera. Outros continuam a viver na esperança de não serem esquecidos por aqueles que na verdade já nem se interessam se existem.

Há uma quinta-feira por mês que uma voluntária, vai buscar aqueles que principalmente não têm visitas, não têm ninguém cá fora e vai dar uma volta com eles, têm dez horas "livres". É completamente frustrante ver o brilho no olho de quem vê e sente o ar cá fora. E falam sobre isso, ainda que retraídos, com muitos "ses" por detrás das suas conversas e com muitas emoções lá dentro.

"As lágrimas que não se choram enferrujam o coração" - disse a voluntária a um dos que levou. Fazendo deles pessoas de sentimentos e emoções retraídas em corpos presos a doenças mentais, atrasos mentais, bipolares, esquizofrenias...

Não deixem de ver a reportagem que está dividida em duas partes. A primeira parte deu no domingo à noite, a segunda na segunda-feira à noite e seguiu-se ontem na Tvi24 uma análise a toda esta reportagem, entre a jornalista Ana Leal, a psiquiatra forense Sofia Brissos a qual não deixa de fazer denotar a sua esperança sempre em que estas pessoas sejam aceites na sociedade e possam voltar a ela, que não tenham a ideia pré-concebida de que ao irem ali parar não saiam mais dali. E a Directora Adjunta da prisão, Dra Otília Barbosa, a qual adorei ouvir, que cuidadosamente explicou dúvidas e que com certeza teria muito a contar desta tão extensa experiência com casos tão delicados, tão tabus da sociedade e tão "inaceitáveis" da mesma.

Tirem as vossas próprias conclusões. O que me surpreende é a capacidade que têm de dentro da sua própria loucura reconhecerem-na.

para quem não viu, obrigatório ver:

1ª parte aqui

2ª parte aqui

Quem viu, qual a ideia com que ficaram? olham para estas pessoas cm um olhar diferente do que olhavam antes da entrevista, ou apenas querem olhar mas na prática continuam a achar que estas pessoas devem mesmo é manterem-se afastadas da sociedade (porque acho que esta é a ideia comum dos casos) para não serem um perigo para os outros e para elas próprias?

A meu ver, o olhar sobre estes casos, depois de ver a entrevista é diferente.

Vejam a história do Vicente (o "homem invisível"), há mais de trinta anos internado e quando saiu quis voltar para a clínica porque ele próprio teve a noção que não sobrevivia cá fora e nem tinha lugar na sociedade...

Outra observação importante: nós não temos nenhum criminoso a cumprir sequer 25 anos de prisão que é a pena máxima em Portugal, mas temos ali pessoas que já ultrapassaram esse tempo cumprindo medida de segurança que são prorrogadas a cada avaliação do doente.

 

* "é a medida que o tribunal aplica, a estas pessoas que absolveu porque considerou inimputáveis e portanto sujeitou a uma medida de segurança e tratamento por considerar que existia o perigo de voltarem a praticar factos identicos aos que estiveram em causa naquele julgamento" - Dra Otília Barbosa

 

03
Mar17

Desafio 52 semanas | Semana 48/52

Maria

Semana 48: Nunca tive coragem de...

 

Comer caracóis - Que me desculpem os que adoram mas não consigo. E sim é qualquer coisa que só de pensar deixa-me o estômago às voltas.

Cantar em público - Sabem aquela parte em que toda a gente diz vamos ao Karaoke? Nem aí, sou a primeira a fugir.

Dar a cara pelo blog - No início ele era completamente anónimo. Hoje é mais fácil chegar a mim. É mais fácil reconhecer-me nele. No entanto nunca o partilhei com os meus conhecidos, aliás directamente só com uma amiga. Quem chegou cá que me conhece foi por mero acaso. Ou quem juntou dois mais dois. Já fui convidada para um programa de televisão e não fui. Não digo que nunca irá acontecer. Mas não está nos meus planos.

Viajar sozinha - Ou pelo menos que do outro lado não esteja alguém à minha espera. Nunca consegui ir sozinha passar umas férias sem levar companhia, ou que pelo menos tivesse alguém que conhecesse do outro lado. Dizem que viajar sozinha também é muito bom e tem as suas vantagens, mas ainda não tive coragem de fazer a experiência.

#52semanas

E desse lado, o que nunca tiveram coragem de fazer?

24
Fev17

Do deitar a toalha ao chão.

Maria

 

26..jpg

Um dia destes, enquanto via uma reportagem na televisão, alguém disse algo do género "qualquer pessoa que esteja mais ou menos de bem com a vida tem o seu momento de querer deitar a toalha ao chão, nem que seja um só". Aquilo bateu cá dentro e quando digo isto, digo que senti aquelas palavras. Concordo em absoluto e acho que esses momentos não são totalmente negativos. Têm que ser encarados como pontos essenciais para se perceber o que está bem ou não. Eu, sendo uma pessoa super positiva, que me acho, vem um dia em que apetece deitar a toalha ao chão e deito... choro tudo o que tenho a chorar, penso no que não dá, não vale a pena, no que poderá acontecer de mau, ou de bom. Bato o pé, rodo a baiana, resmungo comigo mesma. No que posso falhar, no erro que cometi ou que posso estar prestes a cometer. Choro tudo, desabafo tudo, deito tudo o que há a deitar para fora. No fim, o importante é apanhar a toalha, enxaguar as lágrimas, respirar fundo e por a toalha para lavar. Não é fazer de nós pessoas de menos, sensíveis, desprotegidas, falhadas. É fazer de nós seres humanos. Pessoas que querem mais, que acreditam, que tentam, que vivem, sobrevivem e aguentam. Pessoas que vão na fé. Pessoas que chegam com a mão ao chão com o intuito de a impulsionar para se levantar o mais rápido quanto possível.

19
Jan17

É preciso lembrar-nos a coragem que temos.

Maria

Esta passagem de ano foi diferente.

Passei a passagem de ano em casa, com os meus, após muitos anos voltamos a estar todos juntos. Não faria sentido viver aquela noite de outra maneira. Eu queria mesmo era aproveitar estar ali com eles. Fosse o "ali" onde quer que fosse, mas verdade seja dita, nada melhor que na nossa casa.

Era meia noite, depois da contagem decrescente já com as passas na mão e com o intuito de subir à cadeira, como gosto de fazer, eis que surgiram os foguetes, e entre os abraços e os beijos, a corrida até à porta fez-se. Estava adoentada, não fui para a varanda, fiquei ali mais na zona de dentro da porta, e enquanto se via as cores no céu, eu ali perdida a pedir os meus desejos enquanto comia as passas com os meus mais importantes no filtro dos olhos apenas senti uma coisa, uma força, grande, de querer que este ano me seja mais. Fechei os olhos e senti que era aquele amor que quero manter e trazer o que me acrescenta. Chega de oportunidades falhadas e pensar que sempre pode dar certo. Chega de querer saber se todo o mundo está bem. Desde aí consegui ter a força de me desligar mesmo de quem eu precisava.

Apenas é preciso de quando em vez, lembrar daquele preciso momento em que a força chegou e do filtro dos meus olhos. É passar a informação ao coração. Só para a força se manter. Está a ser diferente. Pela primeira vez, quero muito isto. Por mim. Que não nos falte força e coragem para lutar sempre pelo nosso amor próprio acima de tudo. E volta e meia lembro dessa coragem. Às vezes só porque sim, outras tantas porque preciso.

19
Ago16

A coragem de uma desilusão.

Maria

 

Há três anos atrás, depois de um desgosto. De uma quebra. De uma total afinação de rotinas. Há três anos atrás, depois de desculpas esfarrapadas, de olhar para os outros em primeiro lugar. Depois de muitas lágrimas e menos uns quilos. Há três anos atrás depois de uma desilusão. Comprei uma viagem de avião e fui, de um momento para o outro, sozinha, ser feliz. É uma altura que fica sempre lembrada e poderia ser por uma situação má. Mas vejo exactamente o contrário. No dia em que precisei de forças e de ver luz no escuro, escolhi ser um pouco mais forte e ter coragem. Fui com muita vontade de estar bem. Fui por mim, apenas por mim e pelo meu ser. Pela minha paz de espírito, pelo meu bem estar, pelo meu sorriso.

Tantas e tantas vezes falta-nos a coragem para dar um passo, para mudar de caminho, para fugir às rotinas, para pôr um ponto final. Mas que tenhamos sempre a certeza de que, quando for preciso teremos mais força que alguma vez imaginámos. Que assim seja sempre. Que não nos falte força e coragem para lutar sempre pelo nosso amor próprio acima de tudo. E volta e meia lembro dessa coragem. Às vezes só porque sim, outras tantas porque preciso.

16
Abr16

Deixa-me...

Maria

insta_deixa-me.jpg

 

De uma vez por todas deixa-me. Preciso disso. Que te esqueças de mim. Que não me vejas. Deixa-me. Não voltes a mexer em mim. Em cuticar-me o coração. Não voltes a abalroar-me por aí. Chega. Nunca fui de te pedir muito, mas agora peço-te tudo, deixa-me.

Deixa-me viver apenas a minha vida. Não me fales. Não me procures. Não me respondas. Apaga. Apaga em ti o eu para então eu apagar em mim o tu. Antes não consigo, sei que vai voltar. Ou vais. Mas não quero isso. Deixa-me. Parece que estou no caminho certo.

Deixa-me para então eu te deixar.

[ ♥ ]

Sobre mim

foto do autor

Espreitem Como eu Blog

Sigam-me

<>

INSTAGRAM

<>

<>

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sorriso desde 11/02/09

<>

<>

Twita-me

<>

<>

Pesquisar

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D