Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SorrisoIncógnito

Todo o sorriso é apaixonante devido ao incógnito que o ofusca! SORRIR_um estado de espírito...

31
Mar20

Carta de amor #4

Maria

Oh minha princesa. Hoje fazes quatro aninhos. E não vou poder estar aí a estrafegar-te em abraços e beijos e a correr até cairmos no chão. Não vou poder deixar que me penteies o cabelo de princesa, como dizes, e não vou ouvir ao vivo a tua tão boa gargalhada. Não vais pegar na minha mão e dizer "anda madinha bincá comigo".

20200331_123426.jpg

[incrível, esta fotografia foi tirada da tua decoração da festa de aniversário há precisamente dois anos]

Mas há-de vir o dia.

Ontem quando falamos através de vídeo-chamada disseste "madinha faço cato anos manhã, podes bir cá, o cuonabius anda só lá fora, aqui dentro num há". Como se responde a isto, sendo que a resposta é que não posso ir?

Hoje não posso mas há-de vir o dia.

A madrinha gosta muito de ti, mesmo que já não te abrace há algum tempo, mesmo que não te dê um presente hoje. Mesmo que não ajude a mãe a preparar a festa como tem sido hábito. Mesmo que hoje não sejamos todos os que costumam ser, mesmo que hoje não haja corridas de bicicleta, nem escondidinhas, nem brincadeiras na casa das bonecas, nem saltos do trampolim. Mesmo que não haja bolo com os desenhos que gostavas. Hoje é o teu dia boneca e nós gostamos muito de ti.

Isto vai passar e nós vamos estar juntos e a madrinha promete que, além do presente vai estrafegar-te naqueles abraços que nós damos e vou dar-te colinho. 

Ainda não sei quando, mas há-de vir o dia.

Amo-te princesa da madrinha. Sê feliz. E tem um dia de aniversário bom. Hoje não entendes, um dias vais perceber que isto é para ficarmos todos bem. Assim como o desenho que fizeste.

Daqui a pouco vou ligar-te e eu sei que apesar de te dizer que não posso mesmo ir, vais entender. Ainda que à tua maneira.

O meu coração desde que fui madrinha, nunca mais foi o mesmo.

E numa altura destas como fica ele?!

Parabéns minha pequena.

Amo-te muito ♥

31
Jan20

Do meu aniversário. Do meu dia.

Maria

Na semana passada, quarta-feira 22, foi um dia especial. É sempre. O dia do nosso aniversário. E eu gosto muito de fazer anos. Adoro O MEU dia e gosto sempre de acordar com o melhor dos sorrisos para o receber tal como partilhei aqui estampado no rosto. E é daqueles dias que não há margem para chatices, para energias más, para pensamentos negativos. Nada disso. Foi o meu dia. Como não ficar feliz com isso?

IMG_20200123_104334_775.jpg

 

Não trabalhei da parte da tarde, como é hábito e aproveitei só para ficar sentada ao almoço até tarde, na conversa com quem me fez companhia. E dar um giro. Ri muito até ouvir de quem estava comigo "porque sempre te ris ao telefone?". Eu sou assim. É um dia que gosto muito e partilho o meu melhor sorriso com quem partilha comigo algo nesse dia. O jantar foi em família com amigos que não são de sangue, mas são igualmente família. Foi tão bom e adoro aquele convívio com os meus amigos, as minhas pequenas e os meus pais. Adormeci de coração carregado, cansada, mas com aquela sensação que aproveitei muito bem o que me deram.

Não consegui partilhar isto antes porque ando cheia de trabalho.

Fotografias é que me perco sempre a absorver o momento e me esqueço de tirar. A única explicação que tenho é que, tudo foi tão preenchido e "saboreado" por mim, por nós, que os telemóveis foram secundários. 

Atendi todos os telefonemas e isso custou-me ser a ultima a jantar, mas poucas foram as mensagens que consegui ler no dia. Não é ser egoísta, mas tinha que aproveitar o dia, a festa e os meus, caso contrário não conseguiria aproveitar nada. Mas depois li todas as mensagens e eram muitas. E muitas foram as que me surpreenderam. E recebi muitas palavras de me deixar ciscos nos olhos.

é certo que não é preciso dias especiais para dizermos certas coisas a outras pessoas, mas fazê-lo nesses dias cutica lá dentro.

E hoje não tenho fotografias mas tenho uma memória fotográfica recheada. Cheia de emoções, um coração a transbordar e ainda parece que ouço o grito dos golos na minha cabeça.  Tenho uma felicidade em mim de ter momentos como este que me fazem ver o que vale realmente a pena. Aproveitar o momento com quem nos acrescenta é sem dúvida um mote para este novo ano meu.

Vocês que por aqui passam e ficam. Uns mais que outros vão fazendo parte.

Obrigada. OBRIGADA de coração às muitas mensagens que recebi. Às palavras que me deixaram, tanto aqui no blog como no mail, facebook e instagram. Obrigada por esses sorrisoincognitos e acima de tudo obrigada por me ajudarem a continuar a sorrir. Beijinho e mil sorrisos!

Venham mais. Sim, mais anos de sorrisos.  Estou feliz! Muito ❤

23
Out19

Amizades que viram família!

Sabes o que é, ter uma amizade verdadeira?

Maria

so-tem-uma-coisa.png

 

Mas falo daquelas que viram família mesmo. Que fazem parte dos nossos. Que estão lá em todas as situações. Nos bons e nos menos bons momentos.

Falo das amizades mas daquelas que duram uma vida. Que vêm de outra vida ou pelo menos parece que foram de sempre.

Falo de amizades que estão lá "no matter what". Há muito.

Acredito que não sejam muitos que possam estar sentados a recordar cenas de há mais de vinte anos. A recordar cartas que trocaram via correio postal mesmo. A recordar brincadeiras de panelinhas e comidas fictícias em chazinhos com peças altamente personalizáveis da época com o que havia à mão de semear para fazer brincadeiras (até pratos de vasos). A recordar os malhos de bicicleta. Os pés torcidos das corridas na rua e dos joelhos esfolados.

Acredito que não sejam muitos que consigam ainda recordar os primeiros namoricos juntos, as primeiras festas, as primeiras baldas, as primeiras paixonetas que não correram assim tão bem, lá no tempo dos afonsinhos. É que ter uma história ainda curta é não atravessar épocas temporais completamente diferentes e ainda assim estar lá.

É ultrapassar a crise dos primeiros amigos, das primeiras distâncias. A crise de deixar de ser criança e passar a fase controversa da juventude. A crise de nunca mais ser maior de idade e agora onde é que isso já vai! A crise do primeiro desgosto de amor. A crise de acabar o secundário. De começar a trabalhar. De ter responsabilidades. Amizades intemporais que passam nos pingos da chuva dos anos que nos fazem crescer. Ainda assim, juntas.

Eu sei o que é ter amizades assim. Sou uma sortuda, acredito.

Mas sempre achei que há amizades que valem a pena. Valem a pena ter por perto. Valem a pena fazer parte. Valem a pena a aventura diária que é ser-se amigo. E tudo o que isso envolve para conseguir manter amizades de anos. Não esperar tudo do outro, mas dar de nós. Amizade é isso.

Acredito que muitos não acreditem em amizades assim. Mas é preciso acreditar.

Podia ter sido bem diferente, seguimos caminhos diferentes em escolas diferentes, diferentes amizades, mas nem por isso a amizade não cresceu.

Saímos juntas, arranjamos namorados, partilhamos muitas conversas, desabafos, aniversários, festas, rimos muito e também partilhamos momentos menos bons. Sempre presentes uma na vida da outra. Fomos de férias solteiras com amigos. Aproveitamos bem a vida. Fizemos muitas jantaradas. Juntamos família mais que vizinhas.

Casaste, e eu guiei nesse dia o carro até à igreja. E trouxeste-me mais um amigo. A vossa casa sempre de portas abertas para mim, a vossa filha para quem eu sempre fui a Titi.

Um dia, há muito tempo, ainda nem sonhavas ter filhos e disseste-me "um dia vais ser madrinha de um filho/a meu". Até que surgiu o convite para ser madrinha da segunda e eu babei. Tornamos ainda mais família esta verdadeira amizade.

Continuamos a partilhar férias, agora todos juntos.

Os momentos mais importantes estamos lá juntas. Depois de uma amizade já com tantos anos e que resiste a dia pós dia. 

As amizades mostram-nos como podemos ter pessoas importantes na nossa vida sem que o nosso sangue seja o mesmo. Como podemos ter pessoas que não nos são impostas mas que nos acrescentam. Como há realmente amigos que se importam que as coisas corram bem. Que estão lá nos brindes, mas também nos ombros amigos. Nas gargalhadas, mas também nas lágrimas. Eu vou ser sempre grata pelas que me chegaram e ficaram como a tua. Serei sempre grata por me deixarem ser quem eu sou na vida das vossas filhas, principalmente na da minha afilhada, a quem pretendo dar sempre o meu melhor no que toca ao amor. Seremos sempre amigas, agora comadres. Seremos família. 

Obrigada por todas as vezes que estou mais em baixo me puxarem para cima, obrigada por sempre que não me apetece a opção ser outra. Obrigada por me ajudarem. Obrigada por estarem lá. Obrigada pelos sorrisos. Obrigada por me ligares quase todos os dias, muitas vezes para ver a minha afilhada, mesmo que a gente à noite se vá ver. Obrigada por as deixares lá em casa e os meus pais fazerem também parte da vida delas. Obrigada por pertencerem aos meus.

Acho que por entre as brincadeiras com as bonecas, as panelas ou mesmo na aventura do monopólio, por entre os bailes e as festas que sempre fomos, pelas vezes que nos perguntavam se éramos irmãs por andarmos sempre juntas e usarmos a mesma cor de cabelo, loiras, não nos passava pela cabeça que hoje estaríamos assim.

Hoje é o teu dia. E eu desejo-te o melhor.

É um gosto continuar a estar presente nestes dias, não só para te cantar os Parabéns, mas para celebrar mais um dia em que a vida, com amizades destas, valem a pena.

Parabéns amiga e comadre. Feliz aniversário! 

27
Set19

Desafio de escrita dos pássaros #3

Maria

» Uma aventura/momento que te tenha marcado «

desafio passaros.JPG

 

Fazia vinte anos. Jantarada com amigos. Encontro num bar para beber um copo com outros. A noite já ia longa. A minha boleia ia embora. Mas eu, ainda na ideia "a noite é uma criança", vontade de ir, zero. Até que, apareceu ele. O meu ex namorado. Por entre conversa, o namorado da minha amiga diz-lhe que íamos embora apesar de eu preferir ficar. 

- Mas se queres ficar eu dou-te boleia. Vou estar ali com uns amigos. Se quiseres é na boa! Depois quando quiseres ir embora só dizer - disse-me o meu ex.

- Boa! Pode ser! - respondi com certo entusiasmo.

As coisas tinham acabado entre nós, mas nem tudo acabou... Andávamos na fase do larga, não larga, deslarga, agarra. Acho que era mais ou menos isso. Muitos anos de amizade e ele era das melhores pessoas que conheci na vida. Foi confuso.

Ali ficamos nós. Perdidos na noite com amigos. Comuns. De tantos anos.

Lembro-me, dancei muito. E no bar onde tinha amigos bebi uns copos. A mais.

Mas sentia-me a pessoa mais segura do mundo. Ele estava ali comigo. E apesar de já não ser meu namorado, continuava a ser dos melhores amigos. Daqueles que confiava até de olhos fechados.

Continuei na pista até sentir que já não dava mais. A festa fora grande. Estava ali a pisar o risco. Já tinha bebido além da conta.  Era hora de pensar em ir embora. De braço dado, saímos dali.

Antes de seguir caminho, paramos ali nas bombas e ele foi buscar-me uma água com gás. Saí cá fora para apanhar ar, beber um pouco de água e fumar um cigarro enquanto conversávamos. Eu continuava a rir muito e ele a segurar na minha mão. Juntava ali o tentar segurar-me para eu não cair ao querer dar-me literalmente a mão.

Por entre conversa da treta e daquele nervoso de não querer tocar no assunto "nós"... lembro-me de lhe ter pedido, à parva, "deixa-me fumar um charro". Ele (que mais que ninguém sabia que eu nunca o tinha feito) prontíssimo respondeu, "tudo bem mas pede-me quando estiveres sóbria!".

Não me lembro bem se naquele momento senti a maior vergonha do mundo, mas sei que, ali a partir daquele momento o amei ainda mais.

Dei-lhe um beijo sentido, abracei-o e sussurrou-me ao ouvido "vamos embora".

Vejam outros textos meus para este desafio aqui.

09
Set19

Carta de amor #3

Maria

Hoje é o teu dia. Dois aninhos.

O meu coração desde que fui madrinha, nunca mais foi o mesmo.

E tu, sem dúvida que dás muito mais cor aos meus dias.  Sou muito mais feliz por fazeres parte da minha vida e babo-me a cada dia que passa por saber em ti que também gostas de mim.

Ouvir-te chamar "Maiinha" cutica-me. Gostares de passar tempo comigo. Quereres o meu colo. Dares-me miminhos, beijos e um xi. É tão bom.

Ver-te crescer. Acompanhar cada passo e crescer contigo.

Ver-te sorrir. Ser marota, brincar muito e querer estar em minha casa. Brincares com o Nenuco que foi meu. E gostar de estar com os meus pais. Não sendo família, mas fazendo parte.

Tudo é tão diferente contigo cá. E já nem imagino de outra maneira.

Grata.

Parabéns minha pequena.

Amo-te muito ♥

08
Ago19

Como aguentar 12 anos numa empresa?

Maria

Muitas vezes fazem-me essa pergunta quando  se fala da minha empresa. Tantos anos na mesma empresa não é fácil. E acredito que, visto de fora, algumas sejam as dúvidas e as suposições. 

Já aqui falei. E tenho sempre o prazer de o dizer. O que me faz ficar cá tanto tempo são as pessoas. E num emprego, num trabalho diário, numa casa onde passas tanto tempo como na tua, ou mais (pelo menos acordada) são as pessoas que te fazem o ser e o querer estar. Quando pensam que é o dinheiro que move. Não, não é. São "bolos" diferentes. É importante. Mas para o nosso bem estar não é só o dinheiro que conta...

Percebam porquê.

Faleceu ontem o "Manuel". Que sempre apelidei carinhosamente de "meu Manelzinho" aqui na empresa. Quando cá cheguei, ele já cá estava. E foi sempre um querido comigo. Um amigo mais velho trinta anos. Que me aconselhou. Me deu dicas. Que muito desabafou. Que amava a família e babava pelas filhas... 

Trabalhamos juntos cerca de três, quatro anos não sei precisar e acabou por sair. Por seguir outro caminho.

Ás vezes ali aparecia ele no meio da produção a levantar a mão. Vinha cá ver como estávamos, dar um Oi. Contar que estava bem. Do que andava a fazer. Sempre que passava por ele na rua, aquele sorriso e aquele levantar a mão era certo.

Aqui na empresa não somos muitos. Somos família. Desde o início. Fui recebida assim há mais de doze anos. E continua-se a receber assim quem vem por bem.

O "Manelzinho" já cá não trabalhava há alguns anos. Mas foi da família. E ficou.

Hoje a empresa encerra para nos irmos despedir dele pela ultima vez. Todos. 

Mesmo que já não trabalhasse cá na empresa. Foi família. Esta empresa é isto.

Até sempre "Manelzinho"! <3

18
Jul19

Dia de mimar os colegas de trabalho

Maria

A Rádio Comercial diz que hoje é dia de mimar os colegas de trabalho.

Nem de propósito. Quem me segue nas redes sociais sabe que sou mimada muitas vezes no trabalho por croissants frescos e fofos logo pela manhã, mesmo dizendo que estou a tentar fazer "dieta". Nem de propósito, hoje trouxeram-me, não um, mas dois maravilhosos e fofos

67228330_2483486251707648_4300403616495173632_o.jp

donuts!

Um café sem açucar tão pequeno e os donnuts tão grandes!

Fazer o quê?

Eu não me queixo dos meus colegas de trabalho por boicotarem a minha dieta e vocês?

23
Mai19

Há pessoas para ficar, há pessoas para ir!

Maria

87.  amizades.png

Sabemos sempre que com outras pessoas somos mais felizes. Somos ainda mais felizes que sozinhos. E dessas pessoas, as que nos acrescentam, somos parte. E fazem-nos mais felizes assim como nós também fazemos parte da felicidade deles. São aqueles a quem chamamos "os nossos". A quem queremos perto. Com quem partilhamos os melhores sorrisos e a quem socorremos para nos segurarem as lágrimas.

São essas pessoas que nunca podemos esquecer. E da mesma proporção que há pessoas que nos fazem ainda mais felizes. Há também aquelas que nos sugam a felicidade e muitas vezes nem damos conta disso.

Pessoas que já só estão "ali", sabe-se lá onde, mas que nunca estão mesmo "aqui". E que nem chegam a estar. Não se chegam a dar. Logo não chegam a ser das que acrescentam. Que dizem que são amigas mas que na realidade, ao olhares, não vês nada que o demonstre. Só estão ali a insistir que o são. Às vezes já podem ter sido muito, mas depois simplesmente deixam de o ser. 

[ Às vezes podemos ter uma peça que seja muito importante numa altura da nossa vida ficamos com ela porque na verdade faz parte. O tempo passa. E ela apenas fez parte naquela altura. Lá trás. Ficar com ela, dar-lhe um lugar de destaque só para lembrar que um dia foi importante é não dar valor a todos as outras que fazem o dia de hoje mais bonito. ]

Há pessoas que devemos deixar ir. Que o deixar ficar só estão a ocupar ideais falsos. Quando menos esperas vai haver uma atitude que te vai fazer perceber isso tão bem que te vai magoar.

Pessoas que magoam não fazem parte dos teus que estão lá para te fazer feliz. Se não estão, é deixar ir. Há tanta coisa que ao deixares ir te faz feliz que vais perceber que há pessoas que também são assim.

Não vão deixar de existir. Só não podes contar que estejam lá. Porque na verdade elas também não contam. Quanto mais cedo te libertares, mais cedo vais perceber o que te faz falta, o que realmente interessa e o que não! E que ninguém vive de metades de pessoas que querem estar em todo o lado mas na verdade não estão, principalmente do teu lado. ♡

22
Mai19

Faceweek*

Maria

IMG_20190520_133437.jpg

IMG_20190520_133635.jpg

Aqui ficam alguns looks que usei na semana passada. Uma semana em que as temperaturas já estiveram mais elevadas. Já deu para abusar das t-shirts e andar mais à fresca. Optei sempre por peças brancas para cima, coisa que me lembra logo verão e que acontece imensas vezes.

IMG_20190520_133152.jpg

Este foi o outfit escolhido para o casamento que tive no sábado passado de dois amigos. Perfeito para o dia que esteve. A contrariar a semana. Estava sol, mas estava fresco. E à noite ficou bem frio, mas um blazer em vermelho ajudou. O vestido não dá para ver bem nas fotografias (coisa que poucas tirei como já habitual). As sandálias já as tinha, tinha-as comprado para o baptizado da minha afilhada e são apesar de bem altas super confortáveis. Só isso explica o ter aguentado com elas mais de quinze horas! Para completar o look a make up estava bem gira, feita pela minha comadre a parte dos olhos e lábios. Usei batom vermelho para fazer pandam com as unhas e contrastar com o vestido. O meu cabelo estava cheio de caracóis, coisa que também não da para ver nas fotografias. A pochete já a tinha há muito e apesar de não me lembrar muito bem, acho que é da Blanco (que já nem existe, com muitaaaa pena minha).

IMG_20190520_134247.jpg

Foi um dia muito bonito. O casamento de dois amigos que correu muito bem. Que estavam sempre com um sorriso no rosto, alegres, divertidos e em sintonia naquele amor. Bem giros. Um lugar bonito. Cheio de recantos. Mas que, como sabem, eu sempre me esqueço de fotografar tudo.

IMG_20190517_233352_555.jpg

O pormenor da manicure usada na semana anterior!

Podem sempre acompanhar todas as novidades: 

14
Mar19

Os solteiros têm que estar mais disponíveis?

Maria

20190314_094321.jpg

 

Cada vez acho que sou mais pão pão queijo queijo. Dou com a mesma moeda. Interesso só por quem se interessa. Fecho-me e quero que o mundo de quem não se interessa exploda se não se preocupam se o meu está com fumo.

Sempre achei que fui muito Amiga. Muito prestável. Muito estar lá sempre. Muito poço para afogar mágoas. Sempre fui muito ombro. 

Não deixei de ser. Mas deixei de dizer que estou cá (até precisarem mesmo e eu sei que vou lá estar no que puder mas pronto).

Pelo menos para quem se afastou e vem só de vês em quando.

Perdi a paciência. O interesse. O querer que isso me acrescente quando à partida tem um destino traçado infeliz.

Deixei de querer estar lá sempre. Deixei de ter que ser eu a dizer alguma coisa. Deixei de ter que ligar para saber se está tudo bem e se lembrarem que eu existo. Deixo cada vez mais esta preocupação nos outros.

Deixar de estar disponível só para as festas. Só para as jantaradas.

Deixar de querer estar lá só quando tudo é bonito e coisa e tal, mesmo que isso me tenha valido afastar de algumas pessoas e ficar com poucos "perto".

Tudo começou quando ouvi "tu estás solteira, é mais fácil, aparece".

Isso nunca é um convite, é um passar de testemunho para que sejas tu a fazer-te à vidinha. Para que sejas tu a aparecer para todo o sempre. Para que tu te tenhas que deslocar aqui e ali para ver para falar.

Do género, Tu que estás solteira, combina as coisas e aparece. Eu morri para a vida,  só que não. WTF?!

Porque de tudo o resto continua-se a fazer. Mas a solteira é que tem que aparecer. Poupem-me. Se eu só por ser solteira tenho tempo para ir a casa das outras pessoas, a minha casa também pode ser visitada. Ou um qualquer café ou um qualquer restaurante. O meu número também é contactável, não tem a opção só de ligar ou só de enviar mensagens.

Não é por eu ser solteira que estou mais disponível. A disponibilidade não tem nada a ver com o se usas aliança no dedo ou não. Mas tem a ver com a tua predisposição para algo.

"ah nunca mais apareceste lá em casa!!" yap e as pessoas não saem? ah nunca mais me ligaste e eu olha, pasma-te solteira mas com o mesmo número. Perdi um pouco a paciência para desculpas mal amanhadas.

Cansei de ter que ser eu a perguntar se está tudo bem. Como as coisas rolam. Se o casamento vai bem. Se o trabalho dá para sobreviver. Mimimi e o diabo a quatro.

Por ser solteira, basta eu aparecer? Não precisam de se interessar por mais nada?

Cansei. Oh pá deslarguem-me.

Retribuo na mesma moeda. Nós solteiros não temos que estar mais disponíveis. Há dias que estamos demasiado ocupados assim como os que não são solteiros dias têm que estão mais disponíveis. 

As pessoas têm que parar de olhar tanto para o seu umbigo e não fazer dos outros disponíveis.

Ah tu tens tempo!

Todos temos. Quando estamos disponíveis. Uns para os outros. Todos temos tempo.

PS.: Vi a imagem no perfil do Homem sem Blogue ontem quando estava a escrever o texto e ao partilha-la pensei "olha, na mouche!".

Sobre mim

foto do autor

Espreitem Como eu Blog

Expressões à moda das “tripas” do Porto!

Sigam-me

<>

<>

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sorriso desde 11/02/09

<>

<>

Twita-me

<>

<>

Pesquisar

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D